De acordo com uma atualização dos dados publicada esta quarta-feira no portal do INE, a taxa de abandono precoce entre os jovens residentes no país, com idades compreendidas entre os 18 e os 24 anos, caiu 3,7% no ano passado, ficando mais próxima da meta de 10%, a atingir até 2020, estabelecida para Portugal, no âmbito do programa comunitário Horizonte 2020.

Os dados mostram que a taxa continua a ser mais elevada entre os homens do que entre as mulheres, com valores em 2015 que variam entre os 16,4%, para os homens, e os 11%, para as mulheres.

Em 2014, os valores fixaram-se em 20,7%, para os homens, e 14,1%, para as mulheres.

Se se tiver em conta apenas o território continental, a taxa fica quase sempre cerca de um ponto percentual abaixo do total nacional, mas olhando para os valores das regiões autónomas de forma isolada, as ilhas têm um desempenho bastante inferior neste indicador.

Na região da Madeira, em 2015, cerca de um em cada quatro jovens, entre os 18 e os 24 anos (23,6%), abandonou o seu percurso de educação ou formação.

A região da Madeira foi a única região do país a registar um aumento da taxa de abandono precoce, de 2014 para 2015, passando dos 22,7% para os 23,6%.

Já nos Açores, a taxa de 2015 fixou-se em 28,8%, abaixo dos 32,8% de 2014.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.