"O Ronaldo está triste, e eu estou triste por ele". Foi com estas palavras que Liliana Campos começou a publicação que fez na sua página de Instagram e onde defende CR7.

Antes do jogo de Portugal contra Marrocos, que vai decorrer este sábado, 10 de dezembro, a apresentadora quis deixar uma mensagem porque sente que "precisa-se" de "empatia".

"O mundo inteiro já percebeu que o Cristiano não está bem. Foi um ano duro - perdeu um filho, tem a sua bebé com alguns problemas de saúde e provavelmente ainda não tem clube, algo que seria impensável há uns tempos, sente ingratidão, e por incrível que pareça, há quem deseje que tudo lhe corra mal. A pressão sobre os seus companheiros de seleção para que deixem escapar qualquer coisa que o prejudique é muito feia e cruel", destacou.

"Por tudo, e por tanto que o Cristiano já nos deu, penso que cabe-nos a nós, portugueses, abraçá-lo de todas as formas possíveis. Com isto não quero dizer que não tenha que ficar no banco, que não tenha que respeitar o treinador, que não exista um novo ciclo de talentos incríveis a florescerem na nossa seleção, e sim, que talvez mudem o seu jogo, quando o Cristiano está em campo…", realçou de seguida.

"Mas é preciso dar-lhe tempo para aceitar as mudanças, e não pensar que ele é o 1.º a sair do campo por inveja ou porque é mau colega. O Cristiano foi o 1.º a sair, porque acima de tudo está a confrontar-se com uma nova e inesperada realidade. Não fez nada de mal. Fez o que tantos outros fazem, mas tem os olhos do mundo inteiro sobre ele, o que torna a pressão maior. E todos, tal como eu, têm a sua opinião e não se coíbem de a dar. Nenhum de nós imagina o quão difícil deve ser para o Ronaldo, ser o Ronaldo por estes dias…", acrescentou, comentando o facto de CR7 ter abandonado o relvado no último jogo contra a Suíça enquanto a equipa festejava e agradecia aos adeptos.

"A competição corre-lhe nas veias e ele, mais do que ninguém, quer ser campeão do mundo. Quer sair pela porta grande, neste que será certamente o seu último mundial, e tem ainda muito para dar à nossa seleção. Terá ainda um papel determinante, se não o continuarem a sacrificar como estão a fazer. Acredito que isso acontecerá quer no banco, como suplente ao ler o jogo e a passar a mensagem ou a incentivar os colegas, quer no tempo em que estiver em campo a fazer o que melhor sabe, e que tão bem lhe faz - jogar", escreveu ainda.

Antes de terminar, frisou que "para si, Cristiano é o melhor do mundo, único". "E não me esqueço do tempo em que sozinho fazia a diferença. Gratidão. Termino como comecei: Empatia precisa-se", rematou.

Leia Também: Elma Aveiro partilha retrato e afirma: "Família até morrer"

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.