Uma reportagem da SIC "sobre o aumento de corpos que ninguém reclama e os funerais onde ninguém vai" fez José Carlos Malato refletir sobre os temas e tornar públicas as suas opiniões.

"Ao contrário do que muitos pensam e desejam, acredito que a morte, por oposição ao nascimento, é um ato profundamente solitário. As pessoas que ficam ali a carpir o quase-defunto - ainda que o amem - só atrapalham. Querem à força manter o corpo vivo, amarrar a alma a um recetáculo caduco. É como quem empurra um carro com o motor gripado pela ladeira abaixo na esperança que ele pegue", declarou o apresentador, que defende que "é preciso deixar morrer".

Por fim, Malato resolveu dizer aqueles que são os seus desejos para o dia em que chegar a sua vez: "Por muito que custe a quem cá fica e eu sou um deles. Quando chegar a minha vez deixem-me ir sossegado. Muito diferente do que vi na SIC. O que é triste é ninguém reclamar o cadáver. O que é verdadeiramente triste é ninguém querer o ‘cadáver’ quando ainda estamos bem vivos".

Leia Também: "A seleção ganhou ou perdeu? Na verdade, é-me indiferente"

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.