As revistas de decoração, programas de televisão, pesquisa na internet, entre outros podem ser uma excelente ajuda quando chega a hora de decorar a casa ou alguma divisão, mas quer as tendências quer a opinião alheia não podem ser regra. Estas últimas servem para sugerir e não para impor, até porque pode transformar-se em algo limitador. O que é importante é que comece por responder a algumas questões, tais como 'o que espera do ambiente', 'qual o seu propósito ou funcionalidade' e 'qual a atividade que pretende realizar em cada parte dele' e só depois ter em consideração os gostos pessoais de quem vai usufruir do espaço a maior parte do tempo. Não obstante, não queira parecer alguém que não é, ou seja, comprar objetos ou ter uma adega igual à de alguém; quando até nem bebe vinho; só para mostrar aos outros... seja autêntico e não gaste dinheiro à toa. Aqui ficam algumas sugestões daquilo que deve evitar em sua casa.

Quadros em qualquer sítio
Os quadros passam determinada mensagem, contam histórias, fazem transparecer o gosto pessoal de uma pessoa e do seu modo de vida por isso, são sempre bem vindos. No entanto, e apesar da quantidade ser relativa, os mesmos terão de depender do estilo de decoração e do próprio morador. Não obstante, deverão ser colocados de acordo com a luz e altura correta para que sejam devidamente apreciados.

Não combinar vasos e flores
Tal como não combina determinados padrões na roupa ou não mistura determinadas cores, o mesmo acontece com os vasos e as flores, ou seja, é conveniente que haja harmonia e equilíbrio visual. Por exemplo, se tiver uma flor muito colorida coloque-a com um vaso de tons neutros e vice-versa. As flores é suposto trazerem vida ao ambiente e não ruído visual.

Exagerar nas molduras
Já pensou que numa galeria de arte há peças que são mais valorizadas quando estão sozinhas do que quando estão expostas com outras?! Pois bem, o exagero de fotos para além de encher bastante um determinado espaço ou divisão podem facilmente passar despercebidas, transmitindo apenas que o que lá está é um amontoado de 'qualquer coisa'. Um pouco como os vasos com flores, o que se pretende é harmonia e se for para ter mais do que uma, que sejam homogéneas.

Copiar a ideia de alguém
Viu a decoração em casa de alguém ou a casa de algum famoso e delirou? Ainda bem! Mas isso não significa que deva aplicar o conceito na sua. O problema de copiar é que a maioria das vezes os espaços e medidas não são iguais e alguns objetos também podem ser diferentes, logo a probabilidade das expetativas ficarem defraudadas é grande. Já para não falar do facto que a longo prazo pode cansar-se, uma vez que não se identifica com o espaço nem tem muito a ver com o seu gosto pessoal.

Escolher objetos aleatórios
Tal como define o seu look para sair de casa e não mistura determinados tecidos, cores ou padrões, com os objetos decorativos o propósito deve ser o mesmo. Ao usar peças aleatórias só porque gostou delas numa montra, dá azo a que haja poluição visual ou até um fluxo de obstáculos. Quer uma manta para o sofá? Pois bem, escolha um tom parecido com o mesmo ou o tom de outras peças que tenha ao redor. A ideia é que o espaço fique harmonioso.

Exagerar nas cores
Sofá de uma cor, chão de outra e parede de outra,... não exagere no uso das cores. Menos é mais! Planear é essencial em decoração. É preciso comparar amostras de cor, materiais, tipo de iluminação, etc... uma vez que é mais complicado imaginar combinações, comparar as coisas é fundamental para criar uma linha de raciocínio.

Exagerar nos tapetes
Proporcionam conforto e dão um toque muito importante numa divisão, mas tal como outros objetos, é conveniente serem escolhidos de acordo com o espaço e circulação. Em primeiro lugar, é conveniente que saiba qual será o uso dele e só depois optar por um. Tal como nas alíneas anteriores, o que interessa é harmonia e equilíbrio logo, não escolha tons aguerridos se já tem cor suficiente no restante espaço e vice-versa. Exemplos de tapetes:
-Tapetes de fibra ou de sisal – são ideias para a praia ou ambientes mais rústicos e excelentes para áreas de grande circulação;
-Tapetes com pelo – são excelentes para salas de estar e quartos, uma vez que transmitem conforto e o à vontade para adultos e crianças se sentarem no chão;
-Tapetes de couro – conferem um ambiente mais sofisticado, sendo um tapete um pouco mais versátil devido ao tipo de pelo e toque;
-Tapetes persas – são o centro das atenções, devido à cor e vida que têm. Perfeitos para o hall de entrada, sala de estar ou quartos;
-Tapetes antiderrapantes – servem mais para proteger do que decorar por isso, use-os exclusivamente para o que estão destinados: proteger de um piso escorregadio (casas de banho e corredores).

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.