É uma das plantas de interior mais tradicionais e também uma das mais antigas. "A minha avó, que viveu muitos anos no Brasil, adorava-a e a minha mãe também", confidencia Teresa Chambel, arquiteta paisagista, blogger, autora de livros de jardinagem e diretora da revista Jardins. "No Brasil, existe por todo o lado e também é muito típica da ilha da Madeira", desvenda ainda. Este género botânico, pertencente à família Araceae, tem pelo menos 35 variedades.

"Hoje em dia, há antúrios com as brácteas de várias cores, para além do encarnado e do branco, que são as mais conhecidas, também as há bordô, lilás, cor de rosa e até às ricas", refere. "Esta é uma planta especial, a sua flor não é aquela em forma de coração encarnado, essa é a bráctea que envolve as pequenas flores em forma de dedo. Como as flores são muito discretas, a planta desenvolveu esta bráctea colorida para atrair os insetos polinizadores", como explica de seguida.

O cultivo do antúrio em casa ou no jardim exige cuidados regulares. "É uma planta tropical que se desenvolve por baixo e pendurada em grandes árvores, logo não está habituada a sol direto e queima com os raios de sol muito quentes. No máximo, aguenta os raios matinais mais fraquinhos", alerta Teresa Chambel. "Gosta de alguma humidade mas não gosta de ser pulverizada. As folhas devem ser limpas regularmente com um pano húmido", esclarece a arquiteta paisagista.

"Deve regar-se regularmente, deixando o substrato sempre ligeiramente húmido, sem nunca encharcar mas sem nunca ficar demasiado seco", ressalva. "É melhor regar menos abundantemente e deixar sair pelos furos do que regar pouco de cada vez", aconselha. "Normalmente, nos meses mais quentes, regamos uma vez por semana e, nos de inverno, pode aguentar 15 dias sem rega", afirma a autora dos livros "Um jardim para cuidar" e "Um jardim dentro de casa".

As mensagens que o antúrio lhe envia

O antúrio também precisa de um substrato muito bem drenado. "Podemos fazer uma mistura de três medidas de substrato universal com uma medida de substrato para orquídeas, para facilitar a drenagem", sugere a blogger de jardinagem. "Devem ser fertilizados de dois em dois meses nos meses de primavera e verão", acrescenta ainda. "São muito fáceis de dividir, dividindo as touceiras em duas ou mais plantas. Devem soltar-se muito bem as raizes", adverte, no entanto.

Tenha, ainda, atenção aos sinais que a planta lhe dá. "Folhas castanhas nas pontas podem significar luz a mais. Folhas amarelas podem significar água a mais. Se as folhas estiverem descoradas e com manchas castanhas, pode significar fertilizante a mais e, aí, tem mesmo de a mudar de vaso e de substrato. Tenha em atenção que esta planta sofre muito com o excesso de fertilização", sublinha ainda a arquiteta paisagista e diretora da revista de jardinagem mais lida em Portugal.

Os passos a seguir para plantar antúrios

As recomendações de Teresa Chambel, arquiteta paisagista, blogger, autora de livros de jardinagem e diretora da revista Jardins:

1. Escolha um vaso drenado, não muito maior do que o torrão. Esta planta não gosta de estar em vasos muito grandes.

2. Faça uma camada drenante com argila expandida e geotêxtil.

3. Prepare uma mistura de substrato, usando uma parte de substrato para orquídeas e três partes de substrato universal.

4. Solte as raízes e coloque a planta no meio.

5. Encha, de seguida, o vaso com substrato, até ficar à altura do torrão.

6. Calque a terra e regue.

Antúrio. É uma das plantas de interior mais tradicionais e vai dar (ainda) mais cor à sua casa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.