Até que ponto o comportamento humano é biologicamente determinado? São apenas as nossas experiências, a educação e o ambiente que definem as nossas atitudes e comportamentos? Ou também existem factores biológicos que os propiciam? Que factores são esses? Como actuam? Será possível manipulá-los através de medicamentos?

Estas são algumas das questões que Diana Prata aborda na sua investigação, que começou por estudar a base genética da doença mental e, em particular, a forma como certas mutações genéticas estão implicadas na esquizofrenia e na depressão bipolar. A sua investigação actual incide sobre um neuromodulador, a oxitocina, e a forma como a sua acção influencia a nossa predisposição para cooperar e nos permite prever os valores e intenções dos outros, assim como a relação com a doença mental.

Diana Prata é Investigadora Principal no Instituto de Medicina Molecular, Universidade de Lisboa, e Professora Convidada no Instituto de Psiquiatria do King's College London onde fez o Doutoramento em Neuroimagiologia Genética.

A entrada é gratuita mediante inscrição prévia em www.cienciaviva.pt

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.