O Conceito “Medicina Integral” encerra muitos “segredos” nos quais qualquer técnico seja ele convencional ou não tem obrigação de conhecer profundamente as suas vantagens, para um melhor desempenho das suas reais competências, e sobretudo, sucessos terapêuticos.

Nenhum povo verdadeiramente civilizado pode deixar de garantir nas leis, e na realidade da sua vida de cidadania, os direitos fundamentais da pessoa humana. Na Saúde Pública, e neste contexto, é importante que todos os técnicos de saúde, médicos ou não, saibam como entender o padrão integral de vida do seu paciente, particularmente a Lei de Hering, que preside naturalmente o fundamento de todas as Medicinas ditas “Alternativas”. .

Como muita gente sabe, o médico Constantine Hering era, na sua época, um dos mais brilhantes técnicos da alopatia da Europa. Hering, tendo um espírito crítico e muito observador, foi responsável por uma contribuição altamente importante para a Medicina Homeopática e, claro, para a Medicina em geral, desenvolvendo metodologicamente um maior e mais correcto entendimento de como se deverá promover a verdadeira cura do organismo humano. Essa contribuição é denominada: Lei de Hering. .

Esta filosofia ensina-nos que devemos entender o conceito de saúde integral da seguinte forma: da zona mental para o físico. Em primeiro lugar, num verdadeiro processo de cura, muito antes de se tentar melhorar os sintomas físicos de um paciente, devemos saber como melhorar os sintomas mentais, fazendo a correlação entre esses eventuais sintomas, que provêm da parte mais alta do organismo, que é, sem dúvida, a cabeça, tendo a perfeita noção de que é aí que está situado o cérebro. Em segundo lugar, é necessário e muito importante verificar que já no campo mais físico, por exemplo, se ocorrer num paciente uma lesão no rosto, e na vigência de uma terapêutica homeopática essa lesão migrar para outras regiões inferiores do corpo, este facto sugere com segurança um prognóstico positivo, segundo Hering. .

Veja na próxima página a continuação do artigo..

Na continuidade deste esclarecimento, a Lei de Hering fala-nos da importância de reconhecer que uma verdadeira cura passa pelos orgãos mais nobres para os menos vitais. Por exemplo, tem-se conhecimento que a asma brônquica, a rinite alérgica e o eczema atópico constituem um mesmo problema, todavia com manifestações diferentes. Em termos do equilíbrio homeostático, será preferível que essa manifestação ocorra em orgãos menos vitais, que estão aptos a suportar essa manifestação, do que, por exemplo, nos pulmões, que são por excelência orgãos vitais. Neste contexto, o organismo, numa natural e constante tentativa de auto-protecção e auto-desintoxicação, servir-se-á dos cinco canais de eliminação das toxinas, que são a pele, o aparelho respiratório, o aparelho urinário, o intestino e o sistema linfático para eliminar com segurança a carga tóxica. .

A este respeito, acrescentamos o clássico exemplo de que em dermatologia, que usando unguentos que “tratam” um eczema atópico, o paciente muitas vezes poderá apresentar uma reacção asmática, melhorando de seguida, caso haja o reaparecimento do referido eczema. Como se poderá perceber, o organismo apresenta, após a terapia aplicada, o sintoma que fora suprimido. Portanto, isto quer dizer que, supressão, não é mais nem menos do que o desaparecimento de um sintoma que foi suprimido sem que tivesse havido verdadeiramente uma cura. Portanto, chegamos à conclusão de que para haver realmente uma cura, ela deverá ter início de dentro para fora, eliminando o factor causal, e assim, a sua manifestação externa. .

Em suma, a Lei de Hering ensina-nos que a verdadeira cura do organismo deve começar de cima para baixo, de dentro para fora, e na ordem inversa ao aparecimento dos sintomas. .

Aqui estão alguns aspectos sobre a Lei de Hering, sem a qual, sobretudo sem um perfeito entendimento da mesma, nenhuma Cura na verdade pode ter lugar. .

Bem Hajam! .

Carlos Amaral

Veja as entrevistas com o autor no Programa SAPO Zen:

Convidado Carlos Amaral

O Autor:

Carlos Amaral, Venerável Lama Khetsung Gyaltsen

Mestre em Naturopatia;Especializado em Medicina Ortomolecular; Medicina Homeopática; Medicina Homotoxicológica; Medicina Ayurvédica e Tibetana;Doutorado em Religiões Comparadas e em Metafísica;Investigador em Psicologia Transpessoal & Regressão Memorial;Professor de Budismo, Meditação Tibetana, Raja-Yoga, Kryia-Yoga e Karma-Yoga; Autor e Palestrante.

Contactos:

email:madeira.meditacaocenter@mail.com


Coordenação de Conteúdos:
Heloisa Miranda
email: sapozen@sapo.pt
Veja o programa SAPO Zen: zen.sapo.pt

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.