As crianças são sempre a esperança de um futuro melhor, mais positivo e mais brilhante para cada geração ao longo da história. Mas, hoje vivemos num época sem precedentes que vê nascer a cada dia crianças com uma vibração muito elevada e uma luz espiritual belíssima. São as crianças Índigo e Cristal, cuja missão é trazer Luz e Amor Incondicional ás nossas vidas e um novo olhar sobre a vida. A sua sensibilidade é muito apurada e expressa-se em todos os níveis. Neste texto vou apenas abordar alguns aspectos sobre o campo da alimentação.

Já foram conduzidas várias experiências com crianças que estando doentes escolhiam os alimentos mais benéficos para o seu estado de saúde, deixando de lado os que não são saudáveis. Isto mostra-nos que a sabedoria interior da criança é facilmente guiada no caminho correcto se isso lhe for proporcionado. Infelizmente, muitas vezes insiste-se com as crianças para comerem alimentos que elas naturalmente rejeitam, mas é “preciso” seguir os padrões instituídos. Isto acontece sobretudo com a carne e os lacticínios.

As crianças Índigo e Cristal são muito sensíveis ao sofrimento dos animais e têm tendência a rejeitar a carne, mesmo pela vibração elevada que possuem não querem alimentos de vibração densa. Em geral, preferem peixe e pontualmente frango ou peru, assim como também não são adeptos de lacticínios em excesso. Muitas vezes isto é um factor de preocupação para os pais, mas se elas tiverem uma alimentação equilibrada terão todos os nutrientes para crescerem saudáveis.

Precisámos de repensar seriamente os padrões alimentares perante factos que surgem diante dos nossos olhos diariamente. Quando somos informados que cerca de 50 crianças e até bebés são vítimas de AVC por ano, precisámos de nos questionar. Perante a epidemia de diabetes, cancro, obesidade, doenças nas crianças, precisámos de nos questionar! A saúde das crianças, excluindo factores genéticos e ambientais, vai depender do que elas comem. Não podemos esperar até que seja tarde demais para questionar. Em matéria de saúde, cada um de nós é o principal interessado na mesma, não é a indústria alimentar, nem a indústria farmacêutica! É importante que os pais sejam o exemplo para os filhos, pois dizer “olha para o que eu digo e não para o que eu faço”, não resulta com a apurada inteligência, sabedoria e intuição destas crianças que quando nos olham, lêem a nossa alma. Deixo algumas sugestões práticas para as crianças e para toda a família:

Veja na próxima página a continuação do artigo

1 – Diminuir o consumo de carnes vermelhas ou evitá-las totalmente.
2 – Lacticínios em excesso, impede que as crianças comam mais fruta e legumes.
3 – O leite de amêndoas (feito em casa) é uma excelente fonte de cálcio (superior ao leite de vaca) e proteínas, ao qual pode ser adicionado fruta constituindo assim um pequeno-almoço ou lanche muito nutritivo.
4 – Não são necessárias bebidas com cola, refrigerantes ou chás com açúcar que apenas viciam o paladar e contribuem para a obesidade. Um sumo de cenoura simples, ou com um pouco de maçã, ou com 1 folha de couve-galega é a bebida ideal para uma criança ao almoço ou jantar, especialmente se tiver alguma resistência aos legumes. A couve-galega por cada 100 grs, contem 676 mg de cálcio enquanto que o leite de vaca contém 123 mg. Estes dados encontram-se na Tabela de Alimentos do Instituto Ricardo Jorge.
5- Mousses de chocolate podem ser substituídas por abacate ou banana triturada á qual se pode adicionar um pouco de cacau magro, ou um pouco de farinha de alfarroba, podendo ser consumida fresquinha numa tarde de Verão não viciando o paladar. Quando as crianças provam este tipo de sabor preferem-no aos doces artificiais e é muito mais saudável.
6 – Por fim, a questão dos legumes que levanta quase sempre uma pequena batalha alimentar entre pais e filhos. De novo em 1º lugar os pais precisam de ser exemplo, pois a aceitação de novos sabores para a criança é facilitada quando sente que os familiares gostam desses mesmos alimentos. Por vezes, facilita uma pequena recompensa para estimular o consumo de legumes, mas deve ser algo que não seja um alimento, tipo uma ida ao parque, ao cinema, um brinquedo. Se a recompensa for um doce vai acentuar o desagrado pelos legumes.

Outro aspecto é tentar repetidamente dar o mesmo legume, pois em geral a atitude mais comum é a rejeição imediata a algo novo e a imposição ou castigo não surte nenhum efeito positivo, pelo contrário. Contudo colocar no prato esse legume com frequência, vai ajudar a que a criança se adapte a vê-lo e naturalmente irá comer.

Também é importante, criar histórias divertidas á volta dos legumes, por exemplo a história do Popeye e dos espinafres, encontrar exemplo de crianças que são desportistas, actores e que comem legumes ajuda a incentivar o desejo de comer legumes para seguir o exemplo do seu “ídolo”.

Veja na próxima página a continuação do artigo

Variar a forma de cozinhar legumes também é fundamental: cozidos no vapor (ficam saborosos e não perdem os sais minerais, não sendo assim necessário utilizar sal), grelhados, salteados, assados, em sumos, em purés (por exemplo puré de cenoura, abóbora, brócolos). É tempo de repensar as escolhas alimentares para que as nossas crianças não façam parte das estatísticas das doenças do século XXI e esta atitude deve ser tomada o mais rápido possível, para que o futuro seja realmente risonho para as crianças e para toda a Humanidade. Elas são a nossa esperança, vamos alimentá-las com amor, carinho, verdade, e comida saudável.

Isabel Costa
Naturologista e Palestrante
www.alquimiaalimentar.com
isacosta@netcabo.pt

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.