Estudo do Instituto Nacional de Cardiologia Preventiva (INCP) realizado na Área Metropolitana de Lisboa revela que a maioria dos adolescentes fumadores, dos 12 aos 18 anos, é feminina.<(p>

Estes dados, divulgados a propósito do Dia Mundial do Não Fumador, que se assinala na terça-feira, confirmam a tendência de crescimento do tabagismo entre as jovens portuguesas, que aumentou 11 por cento em 2008, quando o registo da década de 80 revelava um crescimento de apenas cinco por cento.

Paulo Vitória, do Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção das Doenças Não Transmissíveis do INCP, sublinhou à agência Lusa que o aumento do número de jovens fumadoras aponta para “uma realidade muito preocupante”, porque “a mulher é mais vulnerável aos efeitos nocivos do tabaco”.

Os riscos do tabagismo nas jovens portuguesas são maiores do que nos fumadores do sexo masculino, porque, frisou o clínico do INCP, “as mulheres apresentam maior risco de cancro do pulmão, doença cardio-vascular e doença respiratória-crónica”.

Os comportamentos tabagistas nas mulheres provocam ainda “graves implicações na fertilidade e na gravidez”.

Paulo Vitória acentua a existência da Lei Antitabagismo, em vigor desde Agosto de 2007, mas realçou que “a escola preocupa-se como a lei é implementada e não em trabalhar diretamente com os jovens”.

Por isso, a Linha SOS – Deixar de Fumar, do INCP, vai realizar uma investigação para aprofundar os comportamentos tabagistas nas mulheres portugueses, estudo que decorrerá até junho de 2014.

30 de Maio de 2011

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.