Os dados do Guia do Mercado Laboral, do grupo Hays, mostravam que 63% dos profissionais portugueses inquiridos estão insatisfeitos com as perspetivas de progressão nas suas carreiras e uma percentagem elevada (79% ) admite mesmo tentar encontrar uma oportunidade de trabalho no estrangeiro. O facto de muitas empresas não poderem compensar o trabalho e o mérito dos seus colaboradores com um aumento salarial – devido aos efeitos da crise – leva a que o grau de insatisfação dos funcionários de uma empresa aumente, com consequências diretas ou indiretas nos seus níveis de produtividade. Se pertence ao clube dos trabalhadores que não veem o seu salário crescer há alguns anos conheça alguns mecanismos de compensação que pode tentar negociar com as chefias da sua empresa para se sentir mais motivado e recompensado. Leia também o artigo: Oito tarefas que as pessoas de sucesso fazem à segunda-feira

1. Formação:

Este é um ponto crucial para a carreira de qualquer profissional que se encontra no ativo. Num momento em que o mercado de trabalho está particularmente competitivo e em que a tecnologia e os procedimentos estão em permanente atualização é fundamental que os profissionais estejam a par daquilo que mais inovador se faz nas suas áreas de atuação. Não se esqueça de que a realidade que era válida há cinco anos atrás pode estar hoje desatualizada. É por isso que a formação é um aspeto essencial na vida de qualquer trabalhador. Se a sua empresa não tem a capacidade financeira para lhe dar um aumento salarial tente negociar a possibilidade da sua entidade patronal financiar-lhe alguns cursos de formação que considera serem importantes para o exercício das suas funções. Neste caso todos ficam a ganhar: o funcionário, porque fica dotado de maiores conhecimentos que pode usar ao longo da sua carreira e também a empresa, que fica com um colaborador mais qualificado. Leia também o artigo: Cinco dicas para lidar com um emprego que odeia

2. Maior flexibilidade:

O tema da flexibilidade no trabalho é uma das questões que tem sido mais debatidas em Portugal. A ideia é de que os colaboradores em vez de terem um horário e um local fixos para executarem as suas tarefas possam ter uma maior liberdade para definir a forma como realizam o seu trabalho. Por exemplo, poderá tentar negociar com a sua entidade patronal um horário diferente do estipulado (Ex: entrando mais cedo e saindo também mais cedo), o que lhe permitirá chegar a tempo de ir buscar os filhos à escola e ter mais horas do dia para estar com a sua família. Outro exemplo de flexibilidade laboral é a possibilidade de poder trabalhar alguns dias da semana a partir de casa. Desta forma estará a poupar tempo (nas deslocações para o trabalho) e também dinheiro (gasolina e refeições fora de casa). Leia também o artigo: Horário flexível de trabalho: Como pedir?

3. Mais férias:

Se superou todos os objetivos profissionais que lhe foram lançados e o seu chefe diz-lhe que, infelizmente, devido à situação financeira da empresa não é possível dar-lhe o aumento salarial merecido, tente então negociar a obtenção de mais dias de férias como forma de compensação pelo seu bom desempenho. É uma solução que não tem custos diretos para a empresa e que pode ajudar a manter os níveis de motivação dos colaboradores. Seis dicas para manter o seu trabalho depois dos 50 anos

4. Maiores responsabilidades:

Se está insatisfeito com o seu trabalho, se não há perspetivas de obter um aumento salarial no curto prazo, tente dar a volta à questão propondo aos seus superiores ter maiores responsabilidades no seu local de trabalho ou mesmo mudar de função, com o objetivo de crescer dentro da empresa e de obter uma promoção no médio prazo. A sua proposta poderá ser vista como sinal de proatividade e de iniciativa da sua parte. Leia também o artigo: Sete dicas para lidar com o stress no local de trabalho.

5. Acesso a equipamento:

Cada vez mais, no mundo empresarial o pacote de remunerações não se cinge apenas à questão salarial. Há ainda outros mecanismos de compensação e benesses que influenciam a decisão de um colaborador querer (ou não) fazer parte da equipa de uma empresa. Exemplo disso mesmo é o facto de a empresa oferecer telemóvel ou computador, ou ainda a mensalidade do ginásio, ou até um seguro de saúde. Tente perceber quais são os mecanismos de compensação mais habituais na sua empresa e se ainda não usufrui de algum deles, tente negociá-lo com a sua empresa. Leia também o artigo: Sete conselhos para quem quer trabalhar a partir de casa

 

Leia também os seguintes artigos:

- Quer ser freelancer? Saiba o que deve ter em conta?

- Como aumentar os seus rendimentos sem pedir um aumento

- Oito formas de obter rendimento extra

- Sete passos para preparar a sua demissão

- Como utilizar o networking para encontrar emprego

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.