Desde o dia 1 de abril que os portugueses têm acedido ao Portal das Finanças para submeterem a declaração de IRS referente a 2018. Com o prazo de recebimento de reembolso entre duas a três semanas, muitos pensam que quanto mais rápido preencherem, melhor será para si.

Contudo, quando se trata de IRS, há que preencher bem a declaração para poder ter uma otimização do seu reembolso, se possível. Assim, dizemos-lhe quatro coisas que deve ter em conta quando estiver a carregar a sua declaração de IRS:

1. Faça simulações

A melhor forma de saber qual o valor do seu reembolso final é simular. Antes de entregar a declaração, simule os cenários possíveis e escolha a melhor opção. As simulações são também fáceis de fazer, uma vez que os dados de que precisa já estão carregados na plataforma. Para os casais que perguntam se faz sentido fazer IRS separado ou em conjunto, investir breves minutos nas simulações ajuda bastante.

2. Esteja atento aos erros do Portal das Finanças

É possível fazer a entrega do IRS desde o dia 1 de abril. Contudo, é expectável que haja erros informáticos no portal uma vez que são novos parâmetros a ter em conta. O número de pessoas a aceder a esta plataforma também faz com que fique mais lenta, dificultando a tarefa no geral.

A nossa sugestão é que simule e guarde a simulação, mas não entregue a declaração. Volte a aceder ao portal e faça uma nova simulação para ter a certeza que os dados combinam. Assim, poderá entregá-la sem erros.

3. O IRS automático não é obrigatório

Existem várias perguntas sobre o IRS automático. Em 2019 nada mudou sobre esta forma de entregar o IRS, o que mudou foi o facto de o Governo ter permitido que mais pessoas pudessem estivessem abrangidas por esta medida.

Para saber se pode fazer o IRS automático, basta entrar no seu Portal das Finanças e o site irá avisar-lhe se reúne todas as condições para o fazer. Mesmo que esteja abrangido pelo IRS automático, isto não quer dizer que seja obrigado a proceder dessa forma, apenas tem uma solução mais prática para entregar a sua declaração.

Por isso, não se assuste com o IRS Automático. Pode fazê-lo e entregar a declaração ou fazer uma simulação e optar pela «entrega» manual. Qualquer que seja a opção, não estamos a falar de um processo longo e burocrático, uma vez que a informação está carregada no portal.

4. Prepare o IRS do próximo ano

Todos os anos muitos portugueses procuram perceber como podem ter um maior reembolso no IRS. A melhor forma de o fazer é começar a preparar as faturas e despesas este ano, para as poder declarar no próximo.

Assim comece já a preparar o próximo ano: peça faturas com NIF, tendo em especial atenção aos principais campos que pode deduzir, como transportes, saúde e educação. Organize as suas despesas no e-fatura para no próximo ano ter o máximo de informação carregada e que o irá ajudar na declaração a entregar.

Tem dúvidas sobre IRS automático, faturas e os diferentes anexos? Reveja o direto do SAPO Lifestyle

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.