Ninguém gosta de perder o que quer que seja. Um amor, um familiar próximo, o emprego, as chaves de casa ou até mesmo a razão. Embora representem diferentes tipos de perdas, todos eles estão na origem de situações de desconsolo que, em maior ou menor grau, nem sempre são fáceis de ultrapassar. Teresa Marta, coach para a coragem e especialista em bem-estar, explica o que fazer para conseguir dar a volta por cima.

1. Perda de emprego

Não desanime antes de tempo. "Faça uma retrospetiva de todos os problemas que já ultrapassou e todas as conquistas que alcançou e anule os sentimentos de culpa e de vitimização. Geralmente, os empregos que perdemos não são os adequados para nós", assegura a especialista.

"Não são aqueles onde nos sentimos realizados, onde nos sentimos felizes. E ninguém é bom profissional a fazer algo que não acrescenta significado à sua vida. Esta é uma oportunidade para surgir algo melhor", acredita a coach.

O amargo sabor da desilusão pode, afinal, deixar um travo adocicado
O amargo sabor da desilusão pode, afinal, deixar um travo adocicado
Ver artigo

2. Desilusão amorosa

Não se deixe abater com a perda de um amor. "Se a relação terminou é porque não era uma situação que, a longo prazo, melhor servia o seu crescimento pessoal e a sua felicidade. Em vez de pensar que perdeu aquela pessoa, pense antes que simplesmente ficou livre para poder voltar a amar. A única coisa que podemos perder é a capacidade de amar. Se ela existir, o amor voltará em permanência à nossa vida", diz Teresa Marta.

3. Perda de um ente querido

Foque a sua atenção não na perda, mas no que aconteceu durante o tempo vivido. "Pense no que essa pessoa conseguiu realizar, em tudo o que aprendeu com ela, no que partilharam e no que viveram em conjunto", aconselha a especialista.

4. Desaparecimento de um bem

A perda de um bem, o telemóvel, a carteira ou até o carro, por exemplo, é quase sempre seguida de recriminações verbais. "Cure a sua linguagem verbal eliminando determinadas expressões", aconselha Teresa Marta, que aponta como exemplos afirmações e interrogações como "Como vai agora ser a minha vida sem isto?", "Toda a minha luta foi deitada fora!" ou ainda "Como sou tão desastrado?"

"Substitua-as por outros", sugere. "O que foi, foi! Sou perfeitamente capaz de voltar a comprar a mesma coisa ou algo ainda melhor" é o tipo de comportamento e de pensamento que, na opinião da coach de bem-estar, deve adotar.

5. Cometer um erro

A perda de lucidez também é muito comum. "O primeiro ato de consolo que deve ter para consigo próprio é libertar-se da autocrítica e da crítica dos outros", sugere Teresa Marta. "Não se massacre. Assuma a sua humanidade e foque-se em tudo o que já fez bem", aconselha ainda a também a diretora-geral da Academia da Coragem.

Texto: Vanda Oliveira com Teresa Marta (coach para a coragem e diretora-geral da Academia da Coragem)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.