A superfície dura e rugosa do tártaro é a ideal para mais acumulação e formação de novo tártaro, podendo este chegar a formar-se sobre a gengiva e sob a gengiva, designando-se sub-gengival. Podem surgir ainda pontes de tártaro altamente prejudiciais para a estrutura dentária, estando estas na origem de várias patologias como a halitose, vulgo mau hálito, recessão gengival, reabsorção óssea e inflamação crónica das gengivas.

O termo cálculo provém do latim calculus, que significa pequena pedra, e foi inicialmente utilizado no século XVIII para descrever formações minerais no corpo humano. Quanto ao termo tártaro, este advém do grego Tartaron, designando incrustações brancas nos cascos dos barcos, e foi utilizado primeiramente no século XIX como referência à sua acumulação nos dentes.

10 truques médicos para se livrar dos dentes amarelos
10 truques médicos para se livrar dos dentes amarelos
Ver artigo

A composição do tártaro tem por um lado uma componente inorgânica, essencialmente de cristais de fosfato de cálcio, e por outro uma componente inorgânica composta por material celular, lípidos e proteínas bacterianas e salivares. Contém ainda vestígios da alimentação do indivíduo, os chamados microdetritos ambientais.

Como surge e porquê?

A sua formação é mais preponderante nas faces externas dos molares superiores e superfície lingual dos incisivos inferiores, estando diretamente relacionados com a posição dos orifícios das principais glândulas salivares, que, tal como referido anteriormente, provocam a mineralização da placa bacteriana existente.

A acumulação de tártaro faz-se por camadas, podendo, em casos de má higiene oral prolongada, formar pontes do mesmo entre os dentes. A variação da formação e acumulação está relacionada com a idade, género, dieta, doenças sistémicas, assim como com a localização e posição dos dentes nas arcadas dentárias.

A acumulação de tártaro leva à irritação e inflamação gengival, designadamente gengivite, podendo evoluir para níveis sub-gengivais, abaixo do nível da gengiva, para periodontite, que se traduz pela agravamento da doença.

15 alimentos que os dentistas nunca comem
15 alimentos que os dentistas nunca comem
Ver artigo

A presença de tártaro implica uma inflamação gengival, que prolongada, leva à inflamação óssea subjacente à gengiva, levando à reabsorção óssea, isto é, uma erosão do osso por presença contínua de agentes inflamatórios.

Assim, dá-se inevitavelmente uma regressão ao nível das gengivas e ossos que é irreversível, pondo a descoberto as raízes dentárias, situação que cursa com sensibilidade intensa, mobilidade dentária e inflamação da polpa dentária que vai aumentando exponencialmente. A perda dos níveis gengivais e ósseos é irrecuperável na sua totalidade.

A acumulação de placa bacteriana até à mineralização e formação de tártaro é um processo contínuo e, como já foi referido, evolui por aprofundamento e acumulação por camadas.

Nas camadas mais superficiais, as bactérias existentes são aeróbias, ou seja, consomem oxigénio. Já as bactérias que se acumulam nos níveis sub-gengivais são anaeróbias, ou seja, sobrevivem na ausência de oxigénio. Estas são as mais agressivas e as mais patogénicas, porque estão em contacto íntimo com a circulação sanguínea através da gengiva inflamada e sangrante e também do osso inflamado e poroso.

Uma perigosa porta de entrada no organismo

Esta patologia favorece uma entrada direta de bactérias e microorganismos altamente agressivos na circulação sanguínea que se alojam nas várias estruturas nobres do corpo humano. Estas bactérias agressivas, com inserção direta no organismo, vão insidiosamente alojando-se nos locais mais sensíveis, nomeadamente válvulas cardíacas, túbulos renais e hepáticos, articulações e até meninges cerebrais em casos de imunodeficiência.

O estado geral dos níveis inflamatórios pode ser tão elevado que está cientificamente comprovado que a doença das gengivas e osso dentário, a periodontite, pode provocar partos prematuros.

10 coisas que sempre quis perguntar ao dentista (mas teve vergonha)
10 coisas que sempre quis perguntar ao dentista (mas teve vergonha)
Ver artigo

Com um tratamento dentário completo de remoção de tártaro, eliminação da cárie e extração de peças dentárias com abcessos paradontais purulentos (e substituição das peças em falta com implantes, por exemplo), é muito comum que os pacientes refiram que se sentem com mais energia e menos dores nas articulações.

Tal é comum porque as bactérias acima referidas estão continuamente a entrar na circulação sanguínea, provocando uma agressão continuada ao organismo e gerando uma diminuição do estado de saúde geral da pessoa. O sistema imunitário encontra-se a combater incessamente essas bactérias altamente agressivas, isto é patogénicas, o que provoca uma diminuição do estado anímico da pessoa.

O impacto social na pessoa acontece em múltiplas vertentes: um estado anímico diminuído pela patologia leva a que o indivíduo tenha menos iniciativa e energia para trabalhar, socializar e até para a execução de atividades desportivas.

A halitose

Um dos maiores impacto sociais é a halitose resultante da acumulação de tártaro, a pessoa, sabendo do cheiro que tem da sua boca, coíbe-se de comunicar abertamente, tentando até estratégias de baixar a cabeça para comunicar dado o constrangimento, transmitindo ao interlocutor uma imagem de desinteresse ou até de que não acredita no que está a falar, por exemplo em situação de actividade profissional,em termos negociais ou até de angariação de clientes, o resultado é desastroso, levando a insucesso, por uma causa muito simples. A halitose,  o mau odor da boca, quando em situação de intensidade moderada a grave, leva a que interlocutores se afastem e rejeitam a pessoa, a rotulação inevitável de má higiene pessoal, leva a uma desconsideração ou criação de barreiras para a comunicação e interacção.

Este é um processo de sequência de eventos, a acumulação de tártaro leva a mais acumulação e aprofundamento da patologia, a agressão contínua por microorganismos que diminuem o estado geral, a halitose com impacto clínico, social  e ao extremo a perda de dentes afectando a alimentação e levando à selecção de alimentos mais processados com menos nutrientes, por não ter eficácia mastigatória,  em que ciclicamente se vai agravando até atingir níveis irreversíveis.

12 coisas que o dentista descobre sobre si ao ver os seus dentes
12 coisas que o dentista descobre sobre si ao ver os seus dentes
Ver artigo

É então fundamental a saúde oral, a consulta periódica ao dentista, de 6 em 6 meses em casos de saúde oral e ausência de patologia, ou de 4 em 4 meses em caso de existência de patologias periodontais ou controlo mais apertado por presença de patologias sistémicas, como diabetes, ou em tratamentos com medicamentos que afectem a saúde oral, sejam medicamentos para epilepsia, antidepressivos, ansiolíticos, oncológicos, sendo o mais indicado informar-se com o Médico-dentista. É fundamental os cuidados regulares em pacientes com doenças cardíacas, diabetes, oncológicos, transplantados, a fim de evitar complicações graves por problemas dentários.

É muito importante informar o Médico-dentista em casos de existência de próteses cardíacas ou ósseas, pace-makers, ou histórico de patologias, pois há cuidados específicos para estes pacientes em que o médico-dentista saberá actuar.

Podemos concluir que Saúde Oral é a base da Saúde do corpo humano, pois com uma dentição saudável a pessoa não tem restrições em escolher alimentos, comunicar e interagir, ter uma auto-imagem positiva levando-a a uma melhor postura perante a vida.

Os conselhos são dos médicos dentistas Marta T. Dias e Olívio Lopes Dias. 

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.