A árvore-do-chá é uma das plantas medicinais mais populares e antigas entre os aborígenes australianos, país de onde é autóctone. No século XIII, era utilizada como antisséptico para tratamento de infeções cirúrgicas.

É utilizada em aromaterapia, ou seja, sob a forma de óleo essencial, cujo principal composto é o terpineno, com ação antibacteriana e antifúngica. Também contém limoneno, alfaterpineno e cineol.

Um estudo realizado na Universidade de Queensland, na Austrália, confirmou que, na eliminação dos piolhos, o óleo de árvore-do-chá com alfazema foi muito mais eficaz que os tratamentos com inseticidas químicos, como butóxido de piperonila e piretrinas. A aplicação tópica de um creme com 5% de árvore-do-chá é um tratamento eficaz para a acne vulgaris.

Ao fim de 45 dias, o número total de comedões e a gravidade da acne foi três a cinco vezes menor nos pacientes tratados com árvore-do-chá relativamente aos pacientes do grupo placebo. Vários estudos realizados durante a década de 90 confirmaram a sua ação antibiótica e antifúngica no pé de atleta, na candidíase e na acne, onde é tão eficaz como o peróxido de benzoilo.

Principais propriedades

É usada no tratamento do pé de atleta, infeções fúngicas nas unhas e  verrugas. Para a acne, pode misturar-se com gel de aloé vera, pomada de calêndula ou  óleo de onagra e ser aplicada diretamente nos comedões. Também se utiliza no tratamento da caspa e piolhos com aplicações no couro cabeludo. Pode ser usada no tratamento da gengivite crónica, juntamente com o óleo essencial de cravinho-da-Índia, reduzindo o aparecimento de placa bacteriana.

Administração

Pode diluir-se em óleo de hipericão, por exemplo, ou num gel de aloé vera, que servem de veículo para a aplicação do óleo essencial da árvore-do-chá. Evite misturar com  água, exceto quando houver necessidade de bochechar. Neste caso, aplique 20 gotas em 100 ml de água morna. Diretamente na pele, aplique apenas em zonas afastadas dos olhos. Em aplicação externa, fazem-se lavagens para tratar a candidíase vaginal. Entra na composição de champôs para piolhos mas pode ser adicionada cinco gotas ao champô comum.

Precauções a ter

Pode aplicar-se diretamente, mas tendo muito cuidado com a dose,
principalmente em pessoas com pele sensível e com tendência a alergias.

Remédios caseiros

- Desodorizante natural: Coloque água num aplicador e junte cinco gotas de óleo essencial de árvore-do-chá que não só elimina o odor, como as bactérias que o provocam e salva.

- Higiene íntima natural para a candidíase: Faça uma infusão, durante 20 minutos, com cinco colheres de folhas de malvas para 1L de  água. Coe e coloque 10 gotas de óleo de árvore-do-chá.

- Tratamento natural para os piolhos: Compre um châmpo natural que tenha extratos de uma ou das seguintes plantas, árvore-do-chá, alfazema, eucalipto e manjerona. Espere 30 minutos, passe com um pente fino e lave com um champô neutro.

Revisão científica: João Beles (naturopata e professor no Instituto de Medicina Tradicional de Lisboa)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.