1. Se já estiver grávida, a pílula do dia seguinte afeta o bebé

Falso - Se a pílula de emergência não for eficaz e a mulher engravidar, o fato de a ter utilizado, não vai perigar o desenvolvimento do feto, nem condicionar complicações para a mulher durante a gravidez. De qualquer forma, a contraceção de emergência não se destina à utilização durante a gravidez e não deve ser tomado por nenhuma mulher em caso de suspeita de gravidez.

10 mitos comuns sobre sexo esclarecidos por uma médica
10 mitos comuns sobre sexo esclarecidos por uma médica
Ver artigo

2. A contraceção de emergência tem efeitos secundários

Falso - Definitivamente, a contraceção de emergência hormonal não tem efeitos secundários. Pode ter alguns efeitos adversos que são transitórios tais como náuseas. É um verdadeiro mito a ideia de que a CE causa dificuldade em engravidar no futuro, alterações hormonais ou qualquer outro tipo de complicação na vida fértil da mulher.

3. A contraceção de emergência é abortiva

Falso - Não se deve confundir os contracetivos de emergência com o aborto, uma vez que estes não interrompem a gravidez mas atuam antes que esta aconteça, evitando o encontro de um espermatozoide com o óvulo. Quando não há ovulação, não há gravidez. A pílula do dia seguinte atua inibindo e adiando a ovulação. Isto significa que os espermatozoides que cheguem às trompas de Falópio já não conseguirão originar uma gravidez.

É importante recordar que a pílula de emergência não é 100% eficaz pois pode acontecer que toma ocorra já na fase ovulação onde a pílula de emergência não é eficaz ou que a toma mesmo sendo na fase pré-ovulatória não seja eficaz. Se estiver grávida, a contraceção de emergência não irá interromper a sua gravidez. Em resumo, a contraceção de emergência não interrompe a gravidez, não é abortiva.

4. A contraceção de emergência não pode ser tomada mais do que uma vez por ano

Falso - A contraceção de emergência hormonal deve ser usada sempre que a mulher tenha risco de ter uma gravidez não desejada. O que significa relações sexuais sem contraceção ou sem contraceção adequada (esquecimento da pílula por exemplo). Repetir muitas vezes a toma da contraceção de emergência significa que a mulher deve rever o seu plano contracetivo.

Do ponto de vista prático, se uma mulher utilizadora de pílula, por exemplo, tem de tomar varias vezes CE por esquecimento da pílula, deve aconselhar-se com o seu medico para mudar de método

5. A contraceção de emergência mata

Falso - A pílula do dia seguinte é segura e não mata.

6. A pílula do dia seguinte protege de infeções sexualmente transmissíveis

Falso - Não, o único contracetivo que protege de infeções sexualmente transmissíveis é o preservativo.

O ovo tem muito colesterol. 20 mitos sobre o coração esclarecidos por uma médica
O ovo tem muito colesterol. 20 mitos sobre o coração esclarecidos por uma médica
Ver artigo

7. A pílula do dia seguinte aumenta os comportamentos de risco

Falso - Já foi amplamente estudado noutros países da Europa, que a divulgação da contraceção de emergência não promoveu o abandono do uso de contraceção de forma regular nem contribuiu para o aumento das infeções de transmissão sexual. Estudos científicos demonstram que facilitar o acesso à pílula do dia seguinte não aumenta o comportamento de risco contracetivo ou sexual.

8. A contraceção de emergência é proibida em Portugal

Falso - A contraceção de emergência hormonal com levonorgestrel e acetato de ulipristal esta disponível em Portugal, sendo a primeira de venda livre em farmácia e em todos os estabelecimentos autorizados para a venda de medicamentos e a segunda de venda livre em farmácia.A contraceção de emergência com DIU de cobre esta disponível em Portugal, nas consultas de Planeamento Familiar e serviços de urgência de ginecologia do Serviço Nacional de Saúde e em regime privado.

9. A contraceção de emergência é pouco segura

Falso - A contraceção de emergência é totalmente segura e, portanto, todas as mulheres, independentemente do seu estado de saúde ou da idade podem fazer contraceção de emergência.

A pílula de emergência pode ser repetida durante o ano ou durante a vida, devendo ser utilizada sempre que o risco de gravidez se coloque. Mas os profissionais de farmácia deverão ter em atenção que a repetição da contraceção de emergência significa que o método de contraceção que a mulher utiliza não é o adequado. Daí que devemos considerar que a compra de contraceção de emergência é uma oportunidade para informação sobre os métodos de contraceção de uso regular.

10. O retorno à fertilidade após a toma da pílula do dia seguinte fica ameaçado

Falso - A contraceção de emergência hormonal bloqueia temporariamente a ovulação pelo que a mulher deve retomar de imediato o método contracetivo ou iniciar de imediato de um método contracetivo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.