Ainda que o azeite seja o rei da mesa, existem outros óleos vegetais, extraídos de sementes e de plantas, que podem enriquecer a alimentação quotidiana graças ao seu  conteúdo rico em sabor, nutrientes e outros compostos benéficos.

E não se assuste com o facto de serem ricos em gordura, porque este nutriente não só é essencial ao nosso organismo, designadamente para a absorção de determinadas vitaminas.

Este tipo de óleo pode, por exemplo, ajudar a prevenir doenças cardiovasculares e envelhecimento precoce. O segredo está em escolher os óleos que contêm gorduras boas (monoinsaturadas e polinsaturadas) e moderar a sua ingestão (as gorduras devem representar cerca de 30% da nossa ingestão calórica diária).

Os benefícios dos óleos vegetais são potenciados se lhes adicionar:

Limão e alho
O primeiro tem propriedades digestivas, calmantes, diuréticas, depurativas e antidores de cabeça. O segundo é bactericida, anticoagulante, reduz a tensão arterial e alivia os processos inflamatórios.

Coenzima Q10
É uma substância com acção antioxidante que ajuda a atrasar o envelhecimento e a  prevenir as doenças degenerativas e cardiovasculares.

Beneficie com... azeite virgem extra
O denominado «azeite virgem extra» é o azeite puro, feito apenas de sumo de  azeitona, que se obtém através do esmagamento das azeitonas, cujas partículas em suspensão são filtradas e decantadas para se obter todas as propriedades olfactivas e gustativas. A sua acidez máxima não ultrapassa os 0,8º.

Considerado como um  medicamento desde a Antiguidade devido às suas propriedades, hoje sabe-se que o seuconsumo moderado ajuda a prevenir enfartes e outros  problemas cardíacos, melhora as úlceras e fomenta o fortalecimento dos ossos e a absorção do cálcio. Para além disso, previne a diabetes, favorece a saúde da pele e aumenta as defesas do organismo.

Cuidado com... o óleo de palma
O seu conteúdo rico em carotenos protege contra a doença de Alzheimer, alguns tipos de cancro e a aterosclerose, para além de formar uma espécie de barreira  contra os raios UV. Mas
atenção! Tal como acontece com o óleo de coco, é rico em gorduras
saturadas e, por isso, desaconselha-se o seu consumo frequente e  
abundante porque pode potenciar o aumento do LDL, o mau colesterol.

Óleo de girassol

É um óleo vegetal rico em ácido oleico (gordura monoinsaturada).

Resiste facilmente a altas temperaturas pelo que, depois do azeite e do óleo de amendoim, é o mais adequado para fritar.

Reduz o colesterol e é benéfico para o sistema cardiovascular.

Óleo de avelãs

É maduro e doce, destacando-se pela sua cor cristalina amarelada com reflexos  dourados. As suas vitaminas actuam no envelhecimento precoce e o ácido fólico favorece o desenvolvimento nervoso de um bebé em gestação.

Óleo de nozes

Rico em ómega-3, ajuda a reduzir o LDL, o colesterol mau e a prevenir doenças cardiovasculares. Para além disso, é benéfico para aliviar os sintomas da síndrome pré-menstrual graças à vitamina B6. O zinco, a vitamina E e o ácido linoleico ajudam a manter a pele hidratada.

Óleo de soja

A soja é conhecida por ser rica em proteínas fáceis de absorver e
digerir. Este óleo previne a aterosclerose, reduz o risco de cancro do
cólon, da mama e da próstata, para além de prevenir a osteoporose. Os
ácidos gordos ómega-3 ajudam a proteger o  organismo de doenças
cardiovasculares porque reduzem o LDL, o colesterol mau.

Óleo de amendoim

Graças ao seu elevado conteúdo em ácidos gordos monoinsaturados e
vitamina E (antioxidante) é o óleo mais resistente às altas
temperaturas, sendo, por isso, à semelhança do azeite, o mais indicado
para fritar. É de fácil digestão, razão pela qual é recomendado às
pessoas com problemas digestivos.

Texto: Ana Catarina Alberto

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.