Segundo Marcelo Castro, o prazo diz respeito ao projeto que será desenvolvido por uma parceria entre o Instituto Evandro Chagas, no Estado do Pará, e a Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

"Poderemos desenvolver a vacina num tempo menor do que o que estava previsto. Em aproximadamente um ano poderemos ter a vacina desenvolvida", disse o ministro.

O ministro brasileiro acrescentou que o Brasil investirá, nos próximos cinco anos, 1,9 milhões de dólares (1,67 milhões de euros) no projeto.

Leia também10 coisas que precisa de saber sobre o vírus Zika

Marcelo Castro recordou ainda que a experiência das duas instituições em pesquisas relacionadas com doenças causadas por vírus semelhantes como a Dengue, Chikungunya e Febre Amarela, deve ajudar a reduzir o tempo para a formulação de uma vacina contra o Zika.

O início dos testes não significa que a vacina será usada para imunizar a população naquele período, porque antes precisa de ser testada e aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Investigadores e institutos renomados comprometeram-se a comunicar gratuitamente as suas futuras descobertas sobre o vírus Zika, uma prática não habitual no meio científico, justificada pela urgência em saber mais sobre o vírus.

O Ministério da Saúde do Brasil confirmou esta quinta-feira a terceira morte causada pelo vírus Zika.

Leia tambémA microcefalia faz parte da vida deles há 14 anos

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.