Segundo o diretor clínico da unidade hospitalar, Lourenço Kotele, citado hoje pela agência noticiosa angolana Angop, em 2019 o sanatório do Lubango diagnosticou 2.528 casos de tuberculose dos quais 1.371 foram confirmados como positivos.

Tuberculose pulmonar, tuberculose/VIH/sida, pneumonia bacteriana e tuberculose óssea lideram as causa de mortes na unidade sanitária, atingindo maioritariamente homens dos 25 aos 64 anos.

Lourenço Kotele lamentou igualmente a adesão tardia de doentes ao hospital, muitos dos quais com "imunidade reduzida", apontando a necessidade da sensibilização da população de forma a se reduzir até 5% o número de mortes pela doença.

Em Luanda, só no primeiro semestre de 2019, cerca de 680 pacientes abandonaram o tratamento da tuberculose no Hospital Sanatório de Luanda (HSL), o maior de Angola na especialidade, situação considerada "bastante preocupante" pela direção da unidade, que apontou uma redução de mortes no período.

"No nosso hospital, estamos a falar em mais de 4.000 casos que seguimos e registamos quase 17% de abandono de pacientes ao tratamento, o que é bastante preocupante", disse à Lusa, em novembro, o diretor-geral da unidade hospitalar, Rodrigues Leonardo.

Segundo o médico, o abandono do tratamento da tuberculose a nível de Angola "é ainda um problema sério, situação que faz com que os doentes depois se tornem fármaco resistentes", recordando que "há dois anos a tuberculose passou a ser a terceira causa de mortes no país".

A malária é a principal causa de mortes no país e de internamentos nos hospitais angolanos, seguida dos acidentes de viação.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.