"Quem faz o diagnóstico é sempre o médico, sendo que esta ferramenta é de apoio à decisão, como que, uma ferramenta de segunda opinião. Não vai substituir o papel dos profissionais de saúde", afirmou hoje António Cunha, investigador do INESC TEC e docente na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Segundo o investigador, a tecnologia, intitulada 'LNDetector' e financiada em 168 mil euros pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), surge da necessidade de "ajudar os médicos" durante o processo de diagnóstico do cancro do pulmão.

10 partes do corpo sem as quais podemos viver
10 partes do corpo sem as quais podemos viver
Ver artigo

"O cancro do pulmão é atualmente o mais letal e a solução passa pelo diagnóstico precoce. Para fazermos esse diagnóstico são necessários rastreios onde são utilizadas tomografias computorizadas (TAC) que têm entre 300 a 500 imagens. Através dessas imagens, os médicos caracterizam os nódulos, que por vezes são muito pequenos e difíceis de encontrar", explicou.

Assim, recorrendo à inteligência artificial e a algoritmos, a tecnologia evita que o "diagnóstico da doença seja tardio", uma vez que o 'LNDetector' auxilia todo o processo de diagnóstico e desempenha o papel de uma "segunda opinião".

"Com base numa grande quantidade de tomografias anotadas pelos médicos, a tecnologia consegue detetar os nódulos, caraterizar quais são e por fim, classificar se o nódulo é maligno ou benigno", referiu António Cunha, adiantando que o sistema "vem aliviar e reduzir alguma responsabilidade do médico".

Sente a barriga inchada? Saiba quanto demora a digerir estes 15 alimentos
Sente a barriga inchada? Saiba quanto demora a digerir estes 15 alimentos
Ver artigo

"Fizemos vários testes com radiologistas no Hospital São João e o 'feedback' foi muito bom. Este sistema vem aliviar e reduzir alguma responsabilidade porque o médico passa a ter uma segunda opinião e poder consultar o sistema para ver se algo lhe escapou", disse.

À Lusa, António Cunha adiantou que, além de identificar, caracterizar e classificar os nódulos pulmonares, o sistema permite também fazer o acompanhamento do doente.

"Além disso acrescentamos-lhe uma funcionalidade para fazer o 'follow up' do doente. Isto é, os médicos, depois de diagnosticar o paciente, têm um protocolo que diz como fazer para seguir o paciente, como que, uma previsão e aconselhamento do acompanhamento", concluiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.