Este agravamento é explicado em parte pelo “crescimento dos gastos com pessoal, dos fornecimentos e serviços externos e das mercadorias vendidas e matérias consumidas, contrapondo com a diminuição das transferências correntes registadas, uma vez que foram efetuadas em 2018 entradas de capital sem impacto nos rendimentos do ano”, refere o Relatório e Contas do Ministério da Saúde do SNS.

Relativamente aos gastos, o relatório refere que” as variações não foram tão significativas quando comparadas com as ocorridas na componente dos rendimentos”.

Nas “rubricas de maior peso”, destaca-se o aumento de 6,1% nos Fornecimentos e Serviços Externos para 4,04 mil milhões de euros, a subida de 5,7% nos gastos com pessoal para 4,06 mil milhões de euros de 4,8 % no Custo das Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas para 1,8 mil milhões de euros.

Os gastos com pessoal representam 39,5% na estrutura dos gastos do SNS, enquanto o fornecimentos e serviços externos 39,2% e o custo das mercadorias vendidas 17,6%.

No total, estas três rubricas representam 96,3%, dos gastos do Serviço Nacional de Saúde, refere o relatório publicado no ‘site’ da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.