A farmacêutica que tem a exclusividade do produto alega ter aumentado a produção, mas há farmácias que estão há mais de dois meses à espera do produto.

A única solução face à falta do dispositivo passa por voltar à prática de picar o dedo para controlar o índice da diabetes.

Estes são os 7 mitos que mais se contam sobre a diabetes
Estes são os 7 mitos que mais se contam sobre a diabetes
Ver artigo

A Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal fala de numa situação "insustentável" e diz-se pronta para ajudar nas negociações com a farmacêutica.

"Imagine o que é deixar de picar o dedo durante vários meses e de repente voltar atrás. É um retrocesso enorme e as pessoas sentem-se desvalorizadas", comenta José Manuel Boavida, o presidente da associação

Segundo a Antena 1, o Infarmed diz que não existe alternativa e acusa a empresa de ter uma postura comercial e não de saúde pública. O Infarmed diz ter garantias da farmacêutica que produz os dispositivos que as ruturas de stock vão acabar.

Maria do Céu Machado, a presidente da Autoridade do Medicamento, reconhece que não é a primeira vez que esta situação acontece e os dispositivos desaparecem do mercado.

"Quando há só uma empresa que fornece, ficamos sempre um bocadinhos reféns", admite a presidente do Infarmed.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.