Trata-se de um homem que contraiu o vírus na Venezuela e, no regresso aos Estados Unidos, em janeiro, infetou o seu parceiro, que não viajou com ele, indicaram os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês).

Os dois homens apresentaram sintomas como febre, erupções cutâneas e conjuntivite.

Até à data, pelo menos cinco outros casos de transmissão sexual do Zika foram assinalados, mas entre casais heterossexuais.

Leia também: 12 vírus mais perigosos do mundo

Leia também: 10 cuidados ao viajar para países com Zika

Segundo um relatório dos CDC, a transmissão do Zika, através de relações sexuais vaginais e anais, "é um modo emergente de propagação do vírus, que poderá contribuir para mais infeções do que as previstas no início da epidemia".

A maioria das infeções é gerada pela picada de um mosquito.

Os CDC anunciaram, na quarta-feira, ter concluído, sem margem para dúvidas, de que o Zika pode causar, ao infetar grávidas, microcefalia do feto, um subdesenvolvimento do crânio e do cérebro.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.