Dos 498 casos suspeitos, foram descartados 482. Dez foram confirmados, tendo um dos pacientes recebido alta. Seis pessoas que realizaram testes continuam a aguardar os resultados dos respetivos testes, indicou um dos responsáveis do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Lei Wai Seng.

Só nas últimas 24 horas foram realizados 120 testes, acrescentou.

O médico apelou ainda à população que, se sentir alguns dos sintomas associados ao novo coronavírus, deve deslocar-se imediatamente aos serviços de saúde e não deve automedicar-se.

Lei Wai Seng lembrou que, apesar de os casinos terem fechado portas, os trabalhadores das salas de jogo, das lojas dos ‘resorts’, motoristas e taxistas tiveram contacto com clientes, anteriormente, pelo que, aos mínimos sinais suspeitos devem recorrer às urgências. “Não aguardem em casa, porque isso pode comprometer a cura”, sublinhou.

Uma das primeiras medidas do Governo de Macau para reduzir o risco de contágio foi enviar milhares de funcionários públicos para casa, onde continuam a trabalhar, mas à distância.

Macau fechou também os casinos e anunciou o encerramento de espaços culturais e desportivos, parques, jardins e espaços de lazer, bem como de todo o tipo de negócios, o que praticamente está a paralisar a economia.

As autoridades deram ainda conta, este sábado, do fecho de mais dois hotéis, o Hotel Legend Palace e o Rocks Hotel, depois de outros cinco terem encerrado devido ao surto: Hotel Sofitel, The Four Seasons Hotel, Grand Harbour Hotel, St. Regis Macao e o Conrad Macao.

Uma medida temporária que a chefe do Departamento de Licenciamento e Inspeção da Direção dos Serviços de Turismo, Inês Chan, explicou que serve “para prevenir o risco de transmissão da epidemia”.

Já o chefe do Centro de Prevenção e Controlo de Doenças dos Serviços de Saúde, Lam Chong, adiantou que atualmente existem 89 cidadãos de Macau na província de Hubei, onde começou o surto e existem várias cidades sob quarentena.

A China elevou para 722 mortos e mais de 34 mil infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), colocada sob quarentena.

A primeira pessoa a morrer por causa do novo coronavírus fora da China foi um cidadão chinês nas Filipinas.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há outros casos de infeção confirmados em mais de 20 países.

Na Europa, o número de casos confirmados chegou quinta-feira a 31, com novas infeções detetadas no Reino Unido, Alemanha e Itália.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou em 30 de janeiro uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.