Os deputados social-democratas eleitos pelo distrito de Vila Real, Luís Leite Ramos, Pedro Pimentel e Teresa Tender, reuniram hoje com o conselho de administração do CHTMAD para fazerem um “ponto de situação dos problemas e dificuldades” desta unidade de saúde que agrega os hospitais de Vila Real, Chaves, Régua e Lamego.

“O hospital precisa muito rapidamente de 55 novos médicos, os contratos que têm sido lançados continuam desertos e as dificuldades de contratar médicos mantêm-se”, afirmou Luís Leite Ramos após o encontro.

O parlamentar destacou a falta de recursos humanos em especialidades com anestesiologia, urologia, medicina interna ou ortopedia.

Defendeu ainda a necessidade de se reavaliar se “há uma má distribuição de médicos” mas disse que também é importante “encontrar uma outra política de incentivos”.

Perante esta dificuldade em atrair médicos ao interior, o deputado desafiou as “outras forças partidárias e os agentes políticos do concelho e da região” para uma união em defesa do Sistema Nacional de Saúde e do CHTMAD.

“É muito importante termos em Vila Real mais unidades de saúde privadas, mas eu acho que temos que, em primeiro lugar, defender o nosso centro hospitalar e a qualidade dos serviços colocados à disposição das populações na região”, frisou.

Recentemente o presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, anunciou que a cidade vai contar com duas novas unidades de saúde privadas.

Luís Leite Ramos sublinhou ainda a necessidade de reforçar o centro oncológico do CHTMAD com mais um acelerador linear e referiu que, em 2016, não se vai manter o reforço de verbas para o centro hospitalar o que, na sua opinião, vai “criar dificuldades adicionais”.

Há, segundo o parlamentar, um défice de “12 milhões de euros” entre a proposta do conselho de administração e o valor que o Governo vai atribuir.

O deputado destacou a realização de obras de cerca de um milhão de euros no hospital de Chaves, já previstas na anterior legislatura, e relativamente ao hospital da Régua, fechado após a deteção de ‘legionella’ na rede de água, referiu que foi informado da intenção de se proceder a uma intervenção no edifício.

No entanto, Luís Leite Ramos disse que “continua a achar que valeria a pena equacionar um acordo com a Santa Casa da Misericórdia da Régua”, o que esteve em cima da mesa no anterior Governo PSD/CDS.

Neste dia dedicado ao distrito trasmontano, os deputados do PSD aproveitaram ainda para alertar para o risco do colégio privado de Poiares, no concelho de Peso da Régua, fechar no próximo ano letivo se for concretizada a intenção do Governo de “obrigar a que os alunos, que tenham nos seus concelhos de origem disponibilidade nas escolas públicas, não se possam matricular nas instituições privadas”.

Para Luís Leite Ramos, a aplicação do despacho do ministério da Educação “de forma cega” é “uma imprudência” que vai colocar em risco “uma escola de referência da região” que acolhe atualmente muitos alunos dos concelhos limítrofes da Régua.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.