O inspetor coordena a delegação de Vila Real da PJ que levou a cabo a operação “Rigor Mortis”, na segunda-feira, no concelho de Bragança, e na qual foram detidas nove pessoas, concretamente dois médicos e sete agentes funerários, com idades entre 38 e 67 anos.

A PJ explicou que os dois médicos, na qualidade de delegados de saúde, passavam certidões de óbito sem verificar a morte, a troco de contrapartidas financeiras das funerárias, cujos valores não foram especificados pelas autoridades.

“O que acontece, neste caso, é que as autoridades de saúde, apesar de estarem obrigadas a fazê-lo, não se deslocam ao terreno, não veem os cadáveres, não fazem aquilo que deviam fazer, que era a verificação da morte, com a análise das causas que determinaram a morte”, especificou o coordenador da PJ.

Segundo disse, os delegados de saúde atestavam a morte sem verem o cadáver e verificar se as causas da mesma eram “naturais, se resultou de um acidente ou, então, se resultou mesmo de um ato ilícito, ou seja, intervenção de terceiros”.

Os médicos recebiam contrapartidas financeiras das funerárias por esta alegada atuação, que o inspetor da PJ classificou como “uma situação muito grave porque o princípio da segurança no sistema de saúde é posto em causa”.

“Sempre que temos a emissão de uma certificado de óbito, onde se faz constar informação relativa aos falecidos que é fornecida através de familiares, através de pessoas, sem que haja verificação concreta pelo médico no local, corremos o risco de ter situações em que haja mortes em que possa ter havido intervenção de terceiros, sem que isso seja verificado conforme a lei impõe”, concretizou.

Os nove detidos serão ouvidos hoje à tarde para aplicação de medidas de coação, de acordo com o inspetor, pelas autoridades judiciárias, no Porto, onde está centralizada a investigação que prossegue.

António Trogano explicou que “há mais pessoas envolvidas, há outras factualidades que estão a ser averiguadas, mas neste momento não estão previstas mais detenções”.

Segundo disse, “uma boa parte das agencias funerárias do município de Bragança estavam envolvidas” neste esquema.

A PJ realizou, na segunda-feira, 29 buscas domiciliárias e não domiciliarias e foram detidas nove pessoas suspeitas da autoria dos crimes de recebimento indevido de vantagem, corrupção, falsificação de documento e falsidade informática.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.