Numa nota oficial, a MSF aponta que "um dos maiores problemas reside atualmente no facto de que, na prática, a vacina (contra o ébola) é racionada pela OMS, deixando muitas pessoas em risco não estão protegidas".

A organização criticou a "opacidade" da OMS na distribuição de vacinas e pediu a "criação de um comité independente de coordenação internacional, para garantir a transparência sobre a gestão dos stocks e a distribuição de dados".

Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Ver artigo

O comité poderia ser integrado por entidades como a própria OMS e a MSF, assim como a Cruz Vermelha e o Unicef, para "estimular discussões abertas com os produtores de vacinas".

As razões por trás das restrições ainda são obscuras

Declarada no dia 1 de agosto de 2018, a décima epidemia de febre hemorrágica provocado pel ébola na região do Congo já provocou a morte de mais de 2.100 pessoas.

Em julho, a OMS elevou o nível de ameaça do ébola para "urgência de saúde pública de alcance internacional".

No total, 225.000 pessoas receberam uma dose da vacina produzida pelo laboratório Merck desde 8 de agosto de 2018, "mas o número é amplamente insuficiente", afirma a MSF em comunicado.

"Entre 2.000 e 2.500 pessoas poderiam ser vacinadas a cada dia, contra um ritmo atual de 500 a 1.000 pessoas", afirma no texto a diretora de operações da MSF, Isabelle Defourny.

"As razões por trás das restrições ainda são obscuras", afirma a organização.

"Homem-árvore" regressa ao hospital com nova recidiva da doença
"Homem-árvore" regressa ao hospital com nova recidiva da doença
Ver artigo

Nova vacina

As autoridades da República Democrática do Congo informaram hoje que vão introduzir uma segunda vacina contra o ébola no país.

"As autoridades de saúde da República Democrática do Congo (RDC) anunciaram a intenção de introduzir uma segunda vacina experimental contra o ébola, produzida pela Johnson & Johnson, a partir de meados de outubro", cita a OMS em comunicado.

A agência especializada da ONU indicou que a vacina será administrada a moradores em regiões onde não há transmissão ativa do vírus.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.