O Viagra, o famoso comprimido azul lançado há mais de duas décadas, foi uma revolução farmacológica e social, recorda Nuno Monteiro Pereira. "O homem deixou de ter uma doença estigmatizante para ter um problema que se trata", sublinha o médico urologista em entrevista à edição de fevereiro da revista Prevenir, já nas bancas. Atualmente, os tratamentos existentes para a disfunção erétil são mais e melhores mas o caminho a percorrer continua a ser grande.

Aumento do número de casos de depressão preocupa especialista português. "Mais de metade não são tratados"
Aumento do número de casos de depressão preocupa especialista português. "Mais de metade não são tratados"
Ver artigo

Além de ser necessário definir o mais indicado para cada caso, é preciso despistar as doenças que podem estar na sua origem. "99% dos casos de disfunção erétil podem ser tratados", garante. "Os dados apontam para um universo de 400.000 portugueses afetados, metade na faixa entre os 40 e os 70 anos. A disfunção erétil é a segunda disfunção sexual masculina mais prevalecente, a seguir à ejaculação prematura, mas é bastante mais grave pelo grau de consequências que acarreta e pelas implicações que pode ter na própria identidade masculina", refere Nuno Monteiro Pereira. A desinformação continua a ser muita. 20% dos homens não procura ajuda por achar que a disfunção erétil é inevitável e irreversível com a idade, "o que não é verdade", assegura o urologista.

"Uma situação ocasional ou de curta duração pode ser causada por cansaço ou até por falta de confiança e, muitas vezes, resolve-se por si. A disfunção é uma situação continuada, com tendência a piorar", acrescenta ainda o médico. Nos últimos anos, surgiram novas e inovadoras formas de tratamento, como explica na entrevista. "Há tratamentos experimentais, como o uso de células estaminais que poderão ser viáveis no futuro, mas irá demorar", ressalva o médico.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.