Denominada ‘Verdes pt 2018’, a nova aplicação (app) foi criada pelo investigador Márcio Magera Conceição, do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), no âmbito do seu pós-doutoramento orientado por Maria de Fátima Alves, anunciou hoje aquela faculdade.

15 números que assustam: o que não acaba no lixo acaba no mar
15 números que assustam: o que não acaba no lixo acaba no mar
Ver artigo

A aplicação, que pode ser descarregada gratuitamente a partir da App Store, em versões para os sistemas Android e iOS, vai ser lançada na quinta-feira, às 10:00, no Auditório II do Colégio São Bento (Departamento de Ciências da Vida da FCTUC), no Polo I da Universidade de Coimbra, na Alta histórica da cidade.

O grande objetivo da ‘Verdes pt 2018’ é promover “uma maior consciência ambiental”, afirma o investigador, citado pela FCTUC, numa nota enviada hoje à agência Lusa. “Cada utilizador verá os milhões de euros que estão a ser colocados nos aterros sanitários e quantos empregos poderiam ser gerados com a reciclagem destas matérias-primas que ainda são chamadas popularmente de lixo”, sublinha Márcio Magera Conceição.

A aplicação indica também “os milhões de euros que são gerados com o processo de reciclagem já adotada em Portugal e todos os ganhos em matérias-primas, energia e ganhos ambientais por reutilizar os resíduos sólidos urbanos”, acrescenta.

10 coisas perigosas que põe no lixo (e não devia)
10 coisas perigosas que põe no lixo (e não devia)
Ver artigo

Todos os dados foram extraídos de plataformas oficiais do Governo de Portugal e confirmados pelo investigador, adianta a FCTUC. Esta app “permite quantificar e qualificar cientificamente o volume de resíduos sólidos urbanos produzidos nos municípios de Portugal, tipificando os resíduos domésticos e indicando os verdadeiros valores que estão a ser recuperados e também os valores perdidos pela não reciclagem”, destaca a faculdade na mesma nota enviada à Lusa.

Com estes dados, “governos, empresas, instituições e universidades poderão realizar políticas públicas e planos de negócio com uma menor incidência de erros e com um menor investimento no processo da implantação de centrais de reciclagem pelo país”, sustenta Márcio Magera Conceição.

Além de que, destaca ainda o investigador, “a apresentação dos volumes e valores poderá criar uma consciência ambiental nos principais produtores de lixo do planeta”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.