Já vários estudos tinham demonstrado que o risco de ataque cardíaco, ou de acidente vascular cerebral (AVC), aumentava nas semanas seguintes à morte de um parente.

Até hoje, não tinha sido contudo demonstrado um vínculo desse tipo de acontecimento com a fibrilação auricular, um transtorno do ritmo cardíaco relativamente frequente e que aumenta com a idade.

Num estudo publicado na revista médica Open Heart, ligada ao British Medical Journal (BMJ), os investigadores demonstraram que o risco de fibrilação auricular aumenta exponencialmente nos viúvos com menos de 60 anos e quando a morte é inesperada.

Ao estudar os casos de 88.000 pessoas que sofriam dessa patologia entre 1995 e 2014 e ao compará-los com um grupo de controlo de pessoas de boa saúde, os investigadores descobriram que o risco de arritmia cardíaca era 41% superior para aquelas que perderam um ente querido.

Segundo o estudo, o risco é máximo entre 8 a 15 dias depois da morte do parente e diminui progressivamente ao fim de um ano.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.