De acordo com Joaquim Cerejeira, médico psiquiatra e diretor clínico da UPPC, “o delirium consiste num declínio muito rápido da função cerebral e está associado a um aumento da duração do internamento, da morbilidade e da mortalidade intra-hospitalar, e compromete as taxas de deterioração cognitiva e funcional".

"Assim, esta síndrome aumenta significativamente a necessidade de cuidados de saúde”, frisa o especialista.

15 coisas que tem de saber para não enlouquecer
15 coisas que tem de saber para não enlouquecer
Ver artigo

E acrescenta: “infelizmente, a maioria dos casos de delirium (até 76 por cento) não são identificados pelos profissionais de saúde, atrasando o seu diagnóstico e respetivo tratamento. Por essa razão decidimos avançar com uma campanha de consciencialização digital para sensibilizar todas as pessoas para este tema e, ao mesmo, com a organização de sessões de formação dirigidas a profissionais de saúde”.

Delirium, a complicação mais frequentemente

O delirium é considerado a complicação mais frequentemente observada em doentes hospitalizados, afetando sobretudo pessoas de idade avançada e com demência.

Nos últimos anos, o interesse pelo delirium aumentou consideravelmente devido à constatação de que é possível prevenir esta perturbação e minimizar o seu impacto negativo.

Durante um episódio de delirium, algumas medidas facilitam a recuperação do doente como: garantir o uso de óculos e aparelhos auditivos; fazê-lo levantar e sair da cama; reassegurá-lo, orientá-lo e evitar conflitos; garantir o sono noturno; conversar gentilmente, estimular o uso de jogos e quebra-cabeças.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.