No total, quase 50 mil pessoas morreram nos Estados Unidos. O número de infetados subiu para mais de 860 mil, depois de terem sido identificados 26.971 novos casos.

No final da semana passada, os Estados Unidos registaram os dois piores balanços diários: mais de 3.800 e de 4.500 mortos. Uma situação que foi justificada em parte devido à adição de mortes “provavelmente ligadas” à covid-19 e que anteriormente não tinham sido levadas em consideração.

O último balanço diário realizado na noite de quinta-feira (madrugada de hoje em Lisboa) é a terceira mais mortal registada num país desde o início da pandemia.

Apesar desta contabilidade, vários estados norte-americanos, como Texas, Vermont e Geórgia, decidiram aliviar as restrições e autorizaram certas empresas a reabrir portas.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 190 mil mortos e infetou mais de 2,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Mais de 708 mil doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram entretanto a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.