Um grupo de investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto descobriu que a causa das enxaquecas está nos genes.

Esta descoberta poderá vir a abrir portas a novas terapêuticas para a doença, que afecta mais de uma em cada dez pessoas, noticia o “Diário Digital”.

Os investigadores identificaram variantes genéticas responsáveis por um risco aumentado de enxaqueca na população portuguesa. O estudo, publicado na revista científica Archives of Neurology, poderá assim fornecer pistas para a descoberta de soluções que diminuam a ocorrência de enxaquecas em pessoas com essa predisposição.

Os investigadores debruçaram-se sobre o gene STX1A, responsável pela produção da proteína sintaxina 1A, que regula a libertação de neurotransmissores no sistema nervoso central, dada a importância que estes têm na enxaqueca.

A investigação envolveu um grupo de 188 doentes com enxaqueca e um grupo controlo de 287 pessoas sem enxaqueca, com o objectivo de identificar variantes que pudessem explicar a maior susceptibilidade de certas famílias portuguesas para a enxaqueca. Neste contexto foram encontradas duas variantes associadas a um risco aumentado de enxaqueca no grupo de doentes.

Estes resultados permitiram associar pela primeira vez o gene STX1A à susceptibilidade a esta doença, bem como identificar uma nova variante neste gene que até agora não tinha sido associada à enxaqueca, conclui o jornal.

2010-08-18

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.