O Hospital Garcia de Orta não tem indícios “internos ou externos” de que vá existir alguma alteração no seu serviço de urgência, considerando que é fundamental a manutenção da sua capacidade de resposta.

“Não existe qualquer alteração interna nem indícios externos que justifiquem pôr em causa a atual Rede de Referenciação Hospitalar Urgência/Emergência. O Hospital Garcia de Orta cumpre todos os critérios de assistência diferenciada a uma vasta área populacional no que diz respeito a assistência direta aos politraumatizados”, refere em comunicado, depois de questionado pela Agência Lusa.

O Bloco de Esquerda questionou, na segunda feira,  o Governo sobre a possibilidade de o serviço de urgência do Hospital Garcia de Orta, em Almada, deixar de receber doentes politraumatizados.

No mesmo documento, o hospital refere que oferece a “doentes com lesões complexas” uma assistência imediata em “cuidados intensivos e cuidados cirúrgicos com necessidade de recurso a bloco operatório de várias especialidades”.

O hospital acrescenta que presta cuidados de forma direta a uma população de cerca de 400 mil habitantes e indiretamente a quase um milhão de habitantes.

“Além do universo assistido, deve ainda ter-se em conta as dificuldades de acesso a Lisboa, bem como a própria localização do hospital, sendo fundamental que mantenha a sua capacidade de resposta a este tipo de doentes”, concluiu.

24 de janeiro de 2012

@Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.