“A ministra da Saúde agradeceu-nos por termos ficado esse tempo todo aqui, fizemos tudo o que nos pediram, e não é fácil estar preso sem estar doente, é complicado, mas tivemos calma, e só temos de agradecer a parte deles também”, disse a brasileira Milene, em declarações aos jornalistas à saída do hospital.

Sobe para 1.665 número de mortos com o coronavírus na China continental, mais 142 em 24 horas
Sobe para 1.665 número de mortos com o coronavírus na China continental, mais 142 em 24 horas
Ver artigo

“A família já pode comemorar que saímos do hospital”, acrescentou, antes de agradecer às autoridades portuguesas: “O coração hoje é totalmente português, Portugal vai ficar eternamente nos nossos corações, temos uma enorme gratidão pela humanidade e por tudo o que fizeram por nós”, disse a futebolista que joga no clube de futebol de Wuhan, a cidade da China onde foi detetado o novo coronavírus (Covid-19).

Os 18 portugueses e as duas brasileiras que estavam voluntariamente em quarentena no Hospital Pulido Valente, em Lisboa, começaram a sair pelas 15:30, de sábado, de carro, e na maioria não falaram aos jornalistas, já depois de a ministra da Saúde, Marta Temido, ter saído do local, alguns minutos antes.

Desde o dia 02 de fevereiro que estas 20 pessoas estavam instaladas no Hospital Pulido Valente (Centro Hospitalar de Lisboa Norte), numa quarentena voluntária que teve essencialmente caráter preventivo.

Na sexta-feira, a Direção-Geral da Saúde (DGS) já tinha informado que estas pessoas terminariam no sábado os 14 dias de isolamento, uma vez que as segundas análises laboratoriais que lhe foram feitas foram “todas negativas”.

O surto do novo coronavírus que surgiu na China teve como epicentro a cidade de Wuhan.

O coronavírus Covid-19 provocou 1.665 mortos e infetou cerca de 65 mil pessoas a nível mundial.

A maioria dos casos ocorreu na China, onde a epidemia foi detetada no final do ano.

Coronavírus (COVID-19): O dia a dia de um médico na luta contra a doença
Coronavírus (COVID-19): O dia a dia de um médico na luta contra a doença
Ver artigo

Além de 1.665 mortos na China continental, há a registar um morto na região chinesa de Hong Kong, um nas Filipinas, um no Japão e um em França.

As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei, no centro do país, para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas.

Em Portugal, surgiram até agora sete situações suspeitas, mas nenhum caso se confirmou.

Segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), há 44 casos confirmados na União Europeia e no Reino Unido.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.