"Isso é uma grande quebra de confiança", afirmou Charlotte Bellis este domingo numa entrevista à Rádio New Zealand a partir de Cabul.

Numa carta aberta publicada pelo jornal New Zealand Herald, a jornalista explica que trabalhou no Afeganistão para o canal Al Jazeera e, ao voltar para Doha (Catar), sede da emissora, descobriu que estava grávida.

Como o Catar proíbe a gravidez fora do casamento, ela decidiu manter a situação em sigilo enquanto organizava o regresso à Nova Zelândia.

Mas o problema é que o seu país fechou as fronteiras em março de 2020 devido à pandemia de coronavírus e permite a entrada de poucos cidadãos, com um sistema de quarentena que tem poucas vagas, muito disputadas e difíceis de conseguir.

A história está a ser partilhada pela própria jornalista também no Twitter.

O país deveria flexibilizar a norma em fevereiro, o que permitiria a Charlotte dar à luz em maio na Nova Zelândia, mas o governo adiou a mudança das regras devido à variante ómicron.

A jornalista solicitou uma vaga para casos urgentes, mas as autoridades neozelandesas informaram que ela não se qualificava para uma isenção sob os rígidos controlos de fronteira.

Bellis decidiu então pedir ajuda para autoridades talibãs no Afeganistão, o único país para o qual tanto ela como i seu parceiro, o fotógrafo Jim Huylebroek, têm vistos.

Os representantes do regime Talibã propuseram o seu retorno ao país. "Estamos felizes por si, pode vir e não terá problemas", afirmaram os interlocutores, explicou Charlotte Bellis na entrevista.

"Quando precisei, o governo da Nova Zelândia disse-me 'você não é bem-vinda aqui'", lamentou a jornalista num artigo no jornal New Zealand Herald.

"Quando os talibãs oferecem asilo a uma mulher grávida e solteira, sabemos que se está numa situação complicada", acrescentou.

Bellis, que há alguns meses perguntou numa conferência de imprensa o que o Talibãs fariam para garantir os direitos de mulheres e meninas, afirma que é "brutalmente irónico" que agora tenha que questionar o mesmo ao seu próprio governo.

Depois de denunciar a sua situação publicamente e procurar a ajuda de advogados, Bellis afirma que foi contactada pelas autoridades neozelandesas, que afirmaram que o seu pedido rejeitado está a ser analisado novamente.

O ministro neozelandês responsável pela luta contra a covid, Chris Hipkins, disse que solicitou uma revisão do procedimento, que neste caso, "à primeira vista, parece merecer explicações adicionais".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.