O presidente francês Emmanuel Macron anunciará às 20h00 (19h00 em Lisboa) novas medidas, que se antecipam "impopulares", de acordo com fontes ministeriais. O líder do partido governamental LREM, Stanislas Guérini, justificou de maneira antecipada o provável regresso do confinamento.

"Necessitamos de medidas fortes, medidas potentes, compreensíveis para todos os franceses, nacionais provavelmente", afirmou ao canal France 2.

Na terça-feira, mais de 2.900 pacientes de COVID-19 estavam internados em Centros de Terapia Intensiva (CTI), o que representa metade da capacidade atual (5.800 leitos) do país nestas unidades.

O site oficial do governo informa 288 mortes nos hospitais na terça-feira para as últimas 24 horas, e 235 em casas de repouso para idosos nos últimos quatro dias, o que eleva o balanço a 35.541 vítimas fatais na França desde o início da pandemia.

Nos piores momentos da primeira onda, em abril, o país registou mais de 700 óbitos em alguns dias, considerando hospitais e casas de repouso.

Para Philippe Juvin, diretor da emergência do hospital parisiense Goerges-Pompidou, um novo confinamento é inevitável. "Temos que tomar (esta medida), certamente", afirmou à rádio RTL.

"Estamos diante de uma curva que sobe muito rápido (de 30 a 50.000 novos casos por dia) e temos que adotar medidas agora porque podem ser tomadas muito tarde se esperarmos, por exemplo, oito dias", completou, antes de apontar o "risco de colapso do sistema de saúde".

O presidente da Federação de Hospitais da França, Frédéric Valletoux, destacou que o toque de recolher de 21h00 às 6h00 imposto para 46 milhões de franceses "não deu os resultados esperados".

O novo confinamento pode ser menos apertado que o da primavera: as escolas permaneceriam abertas, assim como os serviços públicos e comércios essenciais.

"Deve responder ao objetivo de limitar os contactos físicos, mas ao mesmo tempo a economia e também a sociedade devem continuar a funcionar", declarou Philippe Juvin, que pediu ao país para encontrar um "bom nível de equilíbrio".

 A pandemia de COVID-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.371 pessoas dos 124.432 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Gostava de receber mais informações sobre este tema? Subscreva a nossa newsletter e as nossas notificações para que nada lhe passe ao lado.

Vídeo - Transmissão do vírus SARS-CoV-2: porquê manter dois metros de distância?

Estes são os 12 vírus mais letais do mundo

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.