“O paciente foi infetado com o vírus depois de ter relações sexuais com uma pessoa doente, que regressou de um país onde o vírus está presente”, referiu, em comunicado, o Serviço de Saúde do Condado de Dallas.

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos contabilizaram, até ao momento, 51 casos de vírus Zika no país, mas este é o primeiro caso que detetam por transmissão sexual.

A diretora dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, Anne Schuchat, já tinha afirmado a semana passada ter sido identificado um caso de infeção com vírus Zika por transmissão sexual e outro em que o vírus foi detetado no sémen de um homem que, duas semanas antes, tinha sido infetado.

Leia também: O drama dos bebés que são o rosto de uma epidemia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou que a epidemia do vírus Zika poderá afetar entre três a quatro milhões de pessoas no continente americano. O Brasil e a Colômbia são os países onde se registam mais casos de infetados e de suspeitos.

O Comité de emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) decidiu segunda-feira que os casos de microcefalia e de desordens neurológicas surgidas no Brasil constituem uma emergência sanitária de alcance internacional, mas não o vírus Zika, por não ter sido comprovada uma relação entre ambos.

O vírus Zika é transmitido aos seres humanos pela picada de mosquitos infetados e está associado a complicações neurológicas e malformações em fetos.

Leia também8 maneiras de se proteger contra o vírus Zika

Leia também10 coisas que precisa de saber sobre o vírus Zika

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.