Um inquérito feito a quem doou o dinheiro para financiar as duas greves cirúrgicas dos enfermeiros no final de 2018 e início de 2019 decidiu recusar dar o que resta a instituições de solidariedade.

Com uma taxa de resposta de 19%, quase dois terços dos 4.862 votos (63,4%) decidiram não doar os mais de 200 mil euros que sobraram para ações de cariz solidário ou social.

10 doenças perigosas que não apresentam qualquer sintoma
10 doenças perigosas que não apresentam qualquer sintoma
Ver artigo

Segundo os resultados do inquérito, os enfermeiros preferem "continuar a usar o dinheiro para a luta dos enfermeiros", cita a TSF.

Ao todo os enfermeiros angariaram nas duas campanhas de crowdfunding cerca de 780 mil euros.

Sublinhando os 63,4% dos votos, Nelson Cordeiro, promotor da iniciativa, acredita que a decisão de avançar com o questionário e de manter o montante alocado as despesas judiciais é "pacífica", porque os enfermeiros ainda não conseguiram ver cumpridas as suas reivindicações.

Segundo a TSF, a presidente da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) está contra a decisão.

Lúcia Leite critica a taxa de resposta ao questionário - 19% - e acrescenta que ficam defraudadas as expectativas iniciais de muitos dos que contribuíram para o movimento, pois tinha sido dito que o dinheiro seria usado na greve ou, se sobrasse, doado a instituições de solidariedade.

Na altura da criação do crowdfunding, o PS informou que irira iniciar um processo de diálogo com outras forças políticas para a apresentação de um projeto que proibisse contribuições monetárias anónimas no "crowdfunding". Na altura, especulava-se sobre quem seria dos doadores. O PS queria que fossem conhecidos "os interesses que existem" subjacentes ao financiamento da "greve cirúrgica" dos enfermeiros, disse na altura o vice-presidente da bancada socialista João Paulo Correia.

Estas são as 10 doenças mais estigmatizadas do mundo
Estas são as 10 doenças mais estigmatizadas do mundo
Ver artigo

"Temos de ter um diálogo com outros grupos parlamentares, quer à esquerda, quer à direita. Devemos encontrar um mecanismo de que permita maior transparência", defendeu.

Luta dos enfermeiros: o que reivindicam?

Os enfermeiros têm apresentado queixas constantes sobre a falta de valorização da sua profissão e sobre as dificuldades das condições de trabalho no Serviço Nacional de Saúde. Pretendem uma carreira, progressões que não têm há 13 anos, bem como a consagração da categoria de enfermeiro especialista.

Segundo os sindicatos, os enfermeiros levam para casa menos de mil euros líquidos por mês e cumprem muitas horas extraordinárias que não lhes são pagas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.