Contudo, perante críticas de PS, BE e PCP por a iniciativa democrata-cristã surgir em contraponto à discussão sobre a eutanásia e ser redundante em termos de legislação já em vigor, Ana Rita Cavaco concordou que se trata de uma compilação dos direitos, mas destacou o facto de se pretender regular a sedação paliativa, salientada pela deputada centrista Isabel Galriça Neto, e também envolver as famílias dos doentes nas decisões clínicas e outras.

Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Estas são as 10 principais causas de morte em Portugal
Ver artigo

"É verdade que Portugal tem dos melhores ordenamentos jurídicos, o problema é a diferença entre o papel e a realidade. Todos temos consciência de que se morre mal em Portugal, com sofrimento e indignidade desnecessários. Quando chega uma vaga nos cuidados paliativos, a pessoa já morreu. Faltam muitas camas de cuidados paliativos e continuados, além de enfermeiros", lamentou.

A responsável da Ordem dos Enfermeiros falou de "um rácio de enfermeiro por pessoa baixíssimo nas instituições que prestam os cuidados paliativos, que não dignifica nem mantém a segurança e a qualidade dos cuidados" e expressou o seu "parecer bastante favorável a este projeto de lei", com alguns detalhes por 'limar'.

Pelo PS, a deputada Isabel Moreira afirmou que o diploma do CDS-PP "condensa direitos que já existem noutras leis e códigos deontológicos".

"Não poderia votar contra. Posso estar é contra a lógica jurídica, mas acho impossível estar-se contra este projeto de lei. Não há nenhum direito proposto que não esteja já previsto na ordem jurídica portuguesa. Politicamente, percebo que se faça um diploma contra a eutanásia", disse, destacando haver 45 milhões de pessoas com necessidade de cuidados paliativos na Europa e só 15 milhões terem acesso a esses mesmos cuidados.

O bloquista Moisés Ferreira também referiu que a iniciativa centrista "surge numa altura em que se discute a possibilidade de legalizar a eutanásia, mais ou menos, como contraponto", mas que "não está em discussão escolher entre a eutanásia e o reforço dos cuidados paliativos" até porque "o BE defende os dois direitos em concomitância".

Faltam enfermeiros, dizem os comunistas

A comunista Carla Cruz criticou o "incumprimento dos rácios [de enfermeiros por doentes] a acrescentar às complicações para os enfermeiros e outros profissionais de saúde com problemas de ‘burnout' [esgotamento]", defendendo que Portugal tem "boas leis, mas o problema é a efetivação dos direitos e o acesso e resposta de equipas multidisciplinares".

"De facto, para nós, a questão do sofrimento e direitos das pessoas em fim de vida é um problema que continua a existir, não obstante alguns progressos. Quisemos, na moldura ética e legal adequada, fazer uma compilação, sistematização e densificação de diversas matérias dispersas", reconheceu a democrata-cristã Isabel Galriça Neto.

O grupo de trabalho da Comissão Parlamentar de Saúde "Direitos das Pessoas Doentes em Fim de Vida" foi criado para a discussão na especialidade do projeto de lei do CDS-PP sobre doentes graves e incuráveis, com estimativa de sobrevivência de até um ano, a fim de poderem recusar tratamentos que "prolongam o sofrimento" ou regular a sedação nos cuidados paliativos, por exemplo.

No parlamento, já deram entrada projetos de lei para a despenalização e a regulamentação da morte assistida do PAN e do BE. O PS e o PEV também já anunciaram que irão entregar textos no mesmo sentido, com os socialistas e os bloquistas a defenderem que a discussão seja feita até ao fim da sessão legislativa, em julho.

O CDS-PP é contra os projetos de despenalização da morte assistida. O PCP ainda não tem posição, tal como o maior partido da oposição, o PSD, apesar de o novo líder social-democrata, Rui Rio, já ter dito que, pessoalmente, é favorável.

A proposta bloquista permite as duas formas de morte assistida - a eutanásia e o suicídio assistido - em estabelecimentos de saúde oficiais e em casa do doente, garantindo a objeção de consciência para médicos e enfermeiros e optando pela expressão "antecipação da morte por decisão da própria pessoa" por "vontade livre, séria e esclarecida de pessoa com lesão definitiva ou doença incurável e fatal e em sofrimento duradouro e insuportável".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.