Nas consultas, que Filipe Menezes realiza às quintas-feiras no Colégio de São Jerónimo da Universidade de Coimbra, surgem "queixas variadas", desde problemas com "relações amorosas ou familiares", dilemas ético-morais, luto ou sentimento de "não realização profissional", entre outros.

Naquele gabinete, todas as consultas são analisadas "à luz da filosofia moderna", organizando-se e encarando-se o problema que a pessoa expõe como se se tratasse "de uma espécie de texto filosófico", explica o também professor de Filosofia no ensino secundário.

A partir do momento em que o problema é analisado "com a pessoa", esta consegue algum distanciamento em relação ao mesmo, permitindo um olhar diferente.

"A queixa vai sendo reformulada e a pessoa adquire uma nova perspetiva até chegar a um ponto que no discurso dela já não há espaço para a queixa", aclara.

Filosofia como método terapêutico

A vontade de realizar as consultas de filosofia surgiu quando ainda era aluno no ensino secundário e viu no estudo da filosofia "qualquer coisa de terapêutico", conta Filipe Menezes, referindo que as consultas são a possibilidade de "aplicação prática" da filosofia para "ajudar outras pessoas".

O professor de Filosofia entendeu que haveria "um campo aberto para uma profissão" na área, tendo tido "bastante recetividade" quanto ao conceito.

Procuram-no pessoas "que não se sentem muito bem", mas que "não querem ir ao médico ou já foram e não sentiram transformação ou não querem resolver os seus problemas com medicamentos", aclara, notando que a maior parte dos seus clientes também "já tinha recorrido à psicoterapia".

"Aquilo que vivem, por muita angústia que lhes cause, não é uma doença e não sentem que têm de ser tratados", procurando resolver eles mesmos o problema, frisa.

Em todo o processo, podem ser abordados determinados pressupostos filosóficos e pensadores, explana.

Por exemplo, numa questão em que se aborda um problema de "hiper-responsabilização pode utilizar "a filosofia contratualista" ou noutra situação pode usar uma citação do filósofo dinamarquês Kierkegaard.

Contudo, nas consultas podem também ser usados conteúdos fora da filosofia, como a "música, um poema, uma pintura ou qualquer outra produção cultural".

"Podem surgir filósofos e textos filosóficos" mas "não há uma receita" e uma relação entre o problema da pessoa e citações ou textos que se poderão usar.

Com as consultas, Filipe Menezes acredita que a pessoa pode "tomar uma decisão com mais segurança e autoconfiança" em relação ao seu problema.

Todavia, garante que não resolve os problemas das pessoas. Apenas acompanha, "com estratégias, uma forma de elas encontrarem as suas próprias soluções".

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.