Xu Zhiyong, um militante anticorrupção, pediu em 4 de fevereiro a renúncia de Xi Jinping, Presidente do gigante asiático. Para este dissidente, o chefe de Estado é responsável pela má gestão da guerra comercial com os Estados Unidos, das manifestações em Hong Kong e da epidemia do novo coronavírus.

"Os suprimentos médicos são escassos, os hospitais estão sobrecarregados e muitas pessoas contaminadas não foram examinadas", denunciou Xu Zhiyong, que cumpriu uma pena de prisão de quatro anos entre 2013 e 2017.

Xu, que estava foragido desde dezembro, quando participou num ato da oposição na cidade de Xiamen (sudeste), continuava a criticar o governo nas redes sociais.

A epidemia gerou uma onda de críticas ao governo, acusado de reagir com atraso e de obstruir a liberdade de expressão.

A morte de um médico da cidade de Wuhan, que foi interrogado pela polícia em dezembro depois de alertar para a nova nfeção, provocou uma revolta popular nas redes sociais. "A guerra do governo chinês contra o coronavírus não o desviou de sua ofensiva generalizada contra as vozes dissidentes", afirmou a Amnistia Internacional.

Xu Zhiyong foi detido em Cantão, sul do país, afirmou à agência France-Presse (AFP) uma fonte que pediu anonimato. A polícia de Cantão não respondeu às perguntas da AFP.

Hua Ze, uma amiga do dissidente que mora nos Estados Unidos, confirmou que não tem notícias de Xu desde sábado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.