"O senhor queimou a credibilidade do seu Governo em duas áreas essenciais: a saúde e a educação", afirmou Assunção Cristas no debate quinzenal com o primeiro-ministro, no parlamento.

Na educação, a líder centrista argumentou que o "Governo falhou com alunos, pais e professores".

10 conselhos de um médico para ter uma saúde de ferro
10 conselhos de um médico para ter uma saúde de ferro
Ver artigo

"O ministro que afirmou no Orçamento do Estado, e cito, que ia defender radicalmente os professores, é o mesmo ministro que agora não foi capaz de dialogar e encontrar uma solução, é o mesmo que fechou a porta a qualquer diálogo, pondo em risco os exames nacionais de acesso ao ensino superior. O que vai fazer agora? Vai abandonar os professores e deixar os alunos em risco ou vai passar por cima do ministro e encontrar outro negociador?", questionou.

Os resultados contrastam com os seus rankings

Na saúde, Assunção Cristas apontou "falhas constantes aos utentes e aos profissionais, listas de espera crescentes em consultas e cirurgias" e "serviços a fechar por falta de enfermeiros e médicos", além de "profissionais exauridos com horas extra e com falta de colegas qualificados com quem partilhar o trabalho".

Na interpelação ao primeiro-ministro, a líder do CDS-PP abordou diversos temas, recusando uma redução das verbas para Portugal na Política Agrícola Comum (PAC), e apontando para a descida de lugares do país nos índices internacionais de negócios, como o "Doing Business", do Banco Mundial, ou o ‘ranking’ do Fórum Económico Mundial.

O primeiro-ministro contrapôs que "o investimento privado aumentou, o investimento direto estrangeiro aumentou, o crescimento económico aumentou" e o défice baixou.

"Os resultados contrastam com os seus ‘rankings'", defendeu.

Assunção Cristas insistiu que "os dados são objetivos" e "é objetivo dizer que Portugal cresceu, é verdade, mas bem menos do que a média da OCDE, como bem menos do que a média da União Europeia".

"Países como Letónia, Polónia, Eslovénia, Hungria, República Checa, Estónia, Lituânia, Áustria, Suécia, Holanda, Finlândia, Espanha, Grécia, Alemanha e França, todos cresceram mais do que Portugal em 2017. Estes são os dados que nos preocupam porque nós temos de crescer ainda mais do que os outros", sustentou.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.