A COVID-19 foi detetada no fim do ano passado nesta cidade de 11 milhões de habitantes do centro da China, que foi colocada em quarentena durante 76 dias a partir de de janeiro de 2020.

De acordo com testes serológicos realizados em abril, após o pico da epidemia, 4,43% dos habitantes de Wuhan tinham anticorpos, o que significa que o organismo reagiu à presença do vírus.

Isto significa que, em proporção à população de Wuhan, quase 480.000 pessoas foram contaminadas, ou seja, 10 vezes mais do que o balanço de 50.000 casos divulgado até ao momento pelas autoridades.

A diferença deve-se talvez a uma "subestimação dos casos durante o caos entre o fim de janeiro e o início de fevereiro, quando muitas pessoas não foram submetidas a testes, ou porque estes não eram confiáveis", disse Huang Yanzhong, especialista de saúde pública do Council on Foreign Relations, um centro de estudos americano.

Wuhan é a cidade mais afetada da China pelo vírus, que deixou em todo o país 4.634 mortos, segundo o balanço oficial, sendo quase 4.000 nesta localidade.

A última morte registada por COVID-19 na China foi comunicada em maio, quando o vírus já se tinha propagado a todo o mundo.

A pandemia de COVID-19 provocou pelo menos 1.775.272 mortos resultantes de mais de 81,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.