O diretor de Epidemiologia do Governo mexicano, José Luis Alomía, adiantou ainda que se suspeita de que outras 2.185 mortes podem ter sido provocadas pela covid-19, aguardando-se exames laboratoriais para determinar a causa do óbito.

O México passou a Espanha e é já o sexto país do mundo com o maior número de mortes por covid-19.

Tanto os casos confirmados e ativo, bem como as mnortes estão concentrados sobretudo na Cidade do México e no Estado do México.

O especialista também explicou, numa conferência de imprensa, que um total de 142.593 pessoas já recuperaram da doença, representando 60% dos casos confirmados acumulados desde que a pandemia foi declarada.

Desde 01 de junho, o México vive um período “novo normal”, a partir do qual são reguladas as atividades económicas e de convivência com recurso a um semáforo epidemiológico de quatro cores.

Em 14 dos 32 estados do país, o vermelho é aplicado, com risco máximo, e nos 18 restantes, laranja de alto risco. Nenhuma entidade territorial mexicana foi declarada amarela (risco médio) ou verde (risco baixo).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 517 mil mortos e infetou mais de 10,76 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.