O ensaio Discorevry, lançado no domingo, deve incluir 3.200 pacientes europeus em França, na Bélgica, nos Países Baixos, no Luxemburgo, no Reino Unido, na Alemanha e em Espanha, podendo chegar a outros países.

Cada paciente recebe um dos quatro tratamentos escolhidos aleatoriamente por um computador. Não é o médico que decide. "Isto permite provar o teste", explicou em conferência de imprensa Florence Ader, infecciologista no Hospital da Cruz Vermelha em Lyon, que lidera o projeto. 

Objetos que aumentam o risco de contrair COVID-19 segundo a Direção-geral da Saúde
Objetos que aumentam o risco de contrair COVID-19 segundo a Direção-geral da Saúde
Ver artigo

Em França, a experiência abrange 800 participantes. São apenas elegíveis pacientes hospitalizados nos serviços de doenças infecciosas e reanimação.

Trata-se de doentes que apresentam sintomas respiratórios, nomeadamente pneumonia, e/ou que precisem de um suporte de oxigénio, precisou Ader.

O tratamento foi-lhes administrado rapidamente porque "um atraso no início do tratamento parece ser um fator importante nesta doença", segundo a infecciologista.

Quanto mais se avança na doença, menos a presença do vírus é importante. "Se queremos um efeito antiviral numa molécula, este deve ser administrado muito cedo", acrescentou Bruno Lina, professor de biologia em Lyon.

Em causa está um antiviral projetado inicialmente para o vírus Ébola, mas que tem "um alcance mais amplo", porque "interage com outros vírus e é capaz de bloquear a reprodução deste novo coronavírus", detalhou Bruno Lina.

"Esperamos muito desta molécula", porque "os primeiros resultados in vitro foram muito bons", comentou o virologista.

Trata-se também de "reciclar" um medicamento contra o VIH, que consiste em "bloquear a reprodução do vírus", de acordo com o investigador : "Percebemos que funciona no tubo de ensaio".

Esta combinação foi já testada na China, mas com resultados mistos porque muitos doentes foram "incluídos muito tardiamente", por vezes além do décimo dia da doença, referiu Lina.

O ensaio Discovery, lançado muito antes na evolução da covid-19, será complementar ao teste chinês.

Esta associação é considerada interessante, tendo em conta que a doença compreende duas fases: Uma fase virológica, na qual se pensa que os antivirais "podem ter um efeito importante", e uma fase com "síndrome inflamatória", podendo provocar danos no sistema pulmonar e na qual se espera poder bloquear o processo inflamatório, explicou o especialista. 

O ginásio fechou por causa do novo coronavírus. Tem de reembolsar as mensalidades?
O ginásio fechou por causa do novo coronavírus. Tem de reembolsar as mensalidades?
Ver artigo

O quarto tratamento, primo da cloroquina, medicamento contra o paludismo que suscitou muitos debates, não está previsto para o início.

Foi adicionado a pedido da Organização Mundial de Saúde e do Estado francês.

"Pareceu-nos lógico adicioná-lo porque foram-nos fornecidos dados recentes, nomeadamente um artigo chinês publicado a 09 de março no maior jornal de infecciologia norte-americano, que apresenta um número considerável de argumentos interessantes", justificou Florence Ader.

Em França, os primeiros tratamentos começaram no domingo no Hospital Bichat, em Paris, e no CHU, em Lyon.

A seleção dos hospitais fez-se "em função da cartografia da epidemia" e o recrutamento dos 800 pacientes franceses será concluída "o mais rápido possível". 

Recomendações da DGS

A DGS acompanha a situação da expansão do novo coronavírus e recomenda:

  • Em Portugal, caso apresente sintomas de doença respiratória e tenha viajado de uma área afetada pelo novo coronavírus, as autoridades aconselham a que contacte a Saúde 24 (808 24 24 24). Caso se dirija a uma unidade de saúde deve informar de imediato o segurança ou o administrativo.
  • Evitar o contacto próximo com pessoas que sofram de infeções respiratórias agudas; evitar o contacto próximo com quem tem febre ou tosse;
  • Lavar frequentemente as mãos, especialmente após contacto direto com pessoas doentes, com detergente, sabão ou soluções à base de álcool;
  • Lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir;
  • Evitar o contacto direito com animais vivos em mercados de áreas afetadas por surtos;
  • Adotar medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos; deitar o lenço de papel no lixo);
  • Evitar o consumo de produtos de animais crus, sobretudo carne e ovos;
  • Seguir as recomendações das autoridades de saúde do país onde se encontra.

Nos outros países, "caberá à capacidade de cada país desenvolver os respetivos ensaios", indicou Ader.

A primeira avaliação clínica realizar-se-á ao 15.º dia de tratamento, e "nas semanas seguintes começará a haver resultados", previu.

Assim que o ensaio demonstre "a superioridade de um dos quatro regimes de tratamento", os investigadores tencionam sugerir aos reguladores em França e no mundo que o utilizem.

O tratamento poderá ser libertado "muito rapidamente", tendo em conta que a população se encontra numa situação de "carência terapêutica", sublinharam, apelando, no entanto, para "prudência" enquanto não se conhecerem os efeitos.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428.000 pessoas em todo o mundo, das quais mais de 19.000 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a OMS a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 226.000 infetados, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos. Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.820 mortos em 69.176 casos registados até terça-feira.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%).

Como lavar bem as mãos para se ver livre de vírus e outros microrganismos?

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.