Numa nota divulgada na quarta-feira na rede social Facebook, o Hospital adianta que reforçou a rede de gases medicinais que serve esta unidade, designadamente as áreas das enfermarias, serviços de urgência, unidades de cuidados intensivos, entre outras.

“Foi, assim, instalada uma nova rede de oxigénio na Torre Amadora para reforço da rede já existente, visando a manutenção de fluxos para estabilização da rede de oxigénio face ao elevado consumo”, é indicado na nota.

O diretor do Serviço de Instalações e Equipamentos do Hospital Amadora-Sintra, Filipe Chibante, diz, citado na nota, que os reforços vêm “praticamente duplicar a autonomia” na disponibilidade de oxigénio.

De acordo com a nota, toda a rede de oxigénio do Hospital é abastecida por um tanque com 30 metros cúbicos com capacidade para seis dias de consumo.

“Além deste tanque principal, existe ainda um quadro de emergência com capacidade para cinco horas de autonomia, bem como um ‘stock’ de cilindros de oxigénio de cinco, 30 e 50 litros, o qual que é reposto diariamente. Esta semana tiveram também início os trabalhos para a instalação de um novo tanque de oxigénio, com uma capacidade de 13 metros cúbicos que funcionará em paralelo com o existente”, é referido.

Esta nova infraestrutura, segundo a nota, que ficará concluída dentro de três semanas, vai aumentar a autonomia do hospital, antecipando eventuais necessidade de aumento do consumo.

O hospital adianta ainda que já começaram os “trabalhos de instalação de uma rede redundante na Torre Sintra, que tal como a rede redundante instalada na outra torre irá reforçar a rede de gases medicinais já existente”.

“Adicionalmente vai também ser instalado um tanque de oxigénio para alimentar em exclusivo a Área Dedicada a Doentes Respiratórios do Serviço de Urgência, com uma capacidade cinco metros cúbicos a qual que ficará independente da rede principal”, lê-se na nota.

Segundo Filipe Chibante, “os reforços ao nível de redes redundantes e redes primárias permitem estabilizar os fluxos de débito, dotando de maior estabilidade a globalidade do fornecimento deste medicamento que é o oxigénio medicinal”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.058.226 mortos resultantes de mais de 96,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, que está de novo em confinamento geral, morreram 9.465 pessoas dos 581.605 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.