A iniciativa partiu do centro terapêutico Mima Mais e do estabelecimento de ensino pré-escolar Oga Mitá, aos quais se associou depois a Junta da União das Freguesias de Aldoar, Nevogilde e Foz do Douro - sendo que é no molhe da Foz, aliás, que o evento decorre a partir das 19h00.

"As pessoas ainda não sabem muito bem o que é o autismo e queremos deixá-las mais sensibilizadas para o problema, porque a verdade é que se fala muito de solidariedade, mas a inclusão real, na prática, ainda não existe", declarou à Lusa a psicóloga e terapeuta Alexandra Marques, promotora da iniciativa.

O cordão humano contará sobretudo com familiares e educadores de indivíduos autistas, mas a organizadora do encontro apela também à participação de pais de crianças e jovens que não apresentem Perturbações do Espetro do Autismo e ao envolvimento de professores e outros profissionais que queiram aprender mais sobre as diferentes expressões da doença.

"Depois há ainda a questão da responsabilidade social por parte de empresas e outras entidades públicas", observou Alexandra Marques. "Isso é muito importante porque, mesmo sem falar dos adultos autistas que já estão à procura de emprego hoje, as crianças que agora enfrentam dificuldades de inclusão nas escolas vão crescer e, daqui a algum tempo, é preciso ter soluções também para elas", acrescentou a psicóloga.

As Perturbações do Espetro do Autismo - também designadas "Perturbações da Relação e da Comunicação", numa tentativa de contornar a carga negativa do termo "autismo" - expressam-se sobretudo no comprometimento do funcionamento social, num padrão restritivo e repetitivo de interesses, e num conjunto de alterações de desenvolvimento que conduzem a limitações de linguagem, do sistema motor e ao nível sensorial.

A doença é atribuída a aspetos de ordem ambiental e genética, mas a causa concreta do problema ainda não está apurada e esse mantém-se sem cura.

Por esse motivo, os autistas situados no extremo mais intenso do espetro revelam-se mais dependentes de terceiros e beneficiarão com acompanhamento terapêutico regular ao longo de toda a vida, enquanto os que se situam no extremo mais ligeiro do espetro serão mais autónomos e poderão ter vidas próximas dos padrões normais, com emprego, casamento e filhos.

Realçando que o autismo afeta mais rapazes do que raparigas, Alexandra Marques afirmou que "a incidência da doença está a aumentar" e que, na atualidade, em cada "10.000 pessoas haverá 10 com autismo".

Em Portugal, não há números oficiais sobre a população afetada por essas perturbações, mas nos Estados Unidos a estatística mais recente do Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças indica que, entre as crianças com oito anos de idade, uma em cada 68 sofrerá de uma desordem do espetro do autismo.

"É por isso que o diagnóstico precoce é fundamental para aumentar as possibilidades de sucesso numa intervenção terapêutica", garantiu a psicóloga. "Mas para isso é urgente falar-se abertamente da doença e chamar a atenção de toda a sociedade para esta questão", explicou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.