O trabalho, publicado na revista científica Nature Microbiology, incidiu na bactéria 'Clostridioides difficile', na origem de muitas infeções que ocorrem nos hospitais e que, nos casos mais graves, levam à morte dos doentes.

O estudo teve como primeiro autor Pedro Oliveira, que trabalha no Instituto de Genómica de Mount Sinai, nos Estados Unidos.

10 mutações genéticas que são autênticos super poderes
10 mutações genéticas que são autênticos super poderes
Ver artigo

 O investigador explicou à Lusa que foram inativadas na bactéria proteínas que estão envolvidas na modificação do ADN (material genético), procedimento que a tornou "num estado quase morta", sem reação.

As proteínas chamam-se 'metiltransferases' de ADN (MTases). Sem elas, a 'Clostridioides difficile' perde "muita da sua capacidade em formar esporos", células que a tornam resistente "à maioria dos desinfetantes hospitalares e rotinas de limpeza", levando-a a adquirir "características virulentas" nem sempre combatidas com sucesso com antibióticos.

O que a equipa científica fez foi modificar os genes que expressam as proteínas MTases. Ao deixar de produzir MTases, a bactéria ficou mais fraca, menos resistente e menos capaz de se propagar.

Para Pedro Oliveira, "o mais interessante" é que as proteínas MTases "são quase universais em bactérias", isto é, podem ser detetadas não só na 'Clostridioides difficile', mas também noutras bactérias causadoras de infeções, como a 'E.coli' e a 'salmonella', o que significa, a seu ver, que um tratamento alternativo aos antibióticos para a 'Clostridioides difficile' pode ser replicado noutras bactérias para "diminuir a virulência e a patogenicidade".

15 alimentos que ativam o gene do emagrecimento
15 alimentos que ativam o gene do emagrecimento
Ver artigo

"No atual cenário global de crescente resistência aos antibióticos, esta estratégia assume-se definitivamente como um plano B promissor para combater infeções de origem bacteriana", sustentou o investigador à Lusa.

Numa próxima etapa, os cientistas propõem-se desenvolver e testar medicamentos que consigam inibir as proteínas MTases.

No estudo, o grupo de investigação sequenciou o ADN de várias estirpes da bactéria 'Clostridioides difficile', isolada de 36 doentes, usando uma técnica de sequenciação que permite visualizar como os genes funcionam.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.