“Apaixona-te pela vida. Não fumes! Informa-te sobre o cancro do pulmão” é o tema da campanha protagonizada por Frederico Morais (campeão nacional de surf), Manuel Luís Goucha (apresentador), Ricardo Carriço (ator), Tomaz Morais (treinador rugby), e William Carvalho (futebolista).

Todos deixam a mensagem “deixa de fumar, escolhe viver a vida, a natureza, o surf, o futebol, as artes, o rugby e tantas outras coisas saudáveis. Não pegues no cigarro. Escolhe um ‘vício’ saudável”.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da associação PULMONALE, António Araújo, explicou que “o objetivo da campanha é trazer para o conhecimento público os sinais e sintomas do cancro do pulmão e os malefícios do tabaco e das suas implicações”.

O oncologista adiantou que a campanha, que assinala o mês de sensibilização para o cancro do pulmão (novembro), se destina ao público em geral, mas particularmente às camadas mais jovens “de modo a alertá-los para a relação tabaco/cancro”.

Em Portugal, os jovens começam a fumar entre os 15 e os 18 anos, sendo objetivo da campanha apelar para que “não iniciem o consumo de tabaco ou, se já iniciaram, deixarem de fumar”.

Sobre as razões deste comportamento dos jovens, António Araújo disse que é uma forma de pertencerem a grupos e serem considerados “fixes”.

“O tabaco é uma droga que provoca habituação e dependência”, mas é socialmente aceite e os jovens “veem muito o tabaco como uma droga facilitadora de pertencerem aos grupos e serem fixes, no fundo, a serem adultos”, disse, sublinhando que as ações de sensibilização tentam desmontar esta imagem, fazendo-lhes compreender que "levar uma vida saudável, não fumar e praticar exercício é muito mais importante" do que fumar.

Por outro lado, o facto de o cancro do pulmão e as outras doenças associadas ao tabaco surgirem 10, 15 ou mais anos depois de começarem a fumar leva os jovens a não associarem “o risco de desenvolverem a doença ao consumo de tabaco e acaba por não ser interessante deixar de fumar”.

Em Portugal são diagnosticados, por ano, cerca de 4.000 novos casos de cancro do pulmão e registadas cerca de 3.500 mortes.

O tabaco está implicado em 85% dos casos desta doença, mas também noutras patologias como a doença pulmonar obstrutiva crónica, enfisema pulmonar e infeções respiratórias baixas, tuberculose pulmonar, doença cardíaca isquémica e doença cerebrovascular.

O cancro do pulmão pode ser assintomático e a sua primeira manifestação surge sob a forma de metástase, o que explica que a sobrevida aos cinco anos seja apenas de 15%.

Por isso, as pessoas têm de estar mais atentasa alguns sinais como tosse, expetoração, perda de peso, presença de sangue na expetoração, rouquidão, dor persistente no tórax.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.