Segundo o Governo brasileiro, foram relatados 1.500.535 casos prováveis de Dengue, 271.824 casos de febre Chikungunya, 215.319 casos prováveis de vírus Zika.

Somando-se estes números o vetor transmissor destas três doenças, o mosquito 'Aedes aegypti', infetou 1.987.678 pessoas no Brasil no ano passado.

No caso da Dengue, houve uma queda de 11% das infeções em relação a 2015. Também houve queda expressiva no número de mortes, que diminuíram 34%, passando de 986, em 2015, para 642 no ano passado.

O boletim do Ministério da Saúde também refere que as infeções por febre Chikungunya aumentaram.

Veja aindaO Zika pode chegar à Europa? 8 formas de se proteger

Saiba maisZika: o drama dos bebés que são o rosto de uma epidemia

A doença foi detetada em 2.829 municípios, o que representa uma taxa de incidência de 133 casos por 100 mil habitantes. A taxa de incidência no mesmo período de 2015 foi de 18,8. O número de mortes também aumentou, passando de 14, em 2015, para 196 em 2016.

Sobre o vírus Zika, que assustou a população mundial após ter sido associado a doenças neurológicas em fetos e também em pessoas adultas, só existem dados confiáveis a partir de fevereiro de 2016, quando o Governo brasileiro tornou obrigatórias as notificações das suspeitas de infeção.

Em 2016, foram confirmadas laboratorialmente oito mortes no país pelo vírus Zika.

Em relação às gestantes, foram registados 17.000 casos prováveis, sendo 11.052 confirmados por exames de laboratório.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.